Crônica da Temporada do Karakoram de 2010 Parte 2 - AltaMontanha.com - Portal de Montanhismo, Escalada e Aventuras
Estatísticas 2010

Crônica da Temporada do Karakoram de 2010 Parte 2


Categoria: Estatística

Notas preliminares: a) As informações abaixo refletem a opinião pessoal do autor, e não são a posição oficial do website. b) Os dados apresentados são referentes à temporada de escalada do Karakoram (verão 2010), compiladas até 6 de Setembro de 2010. Os cumes e eventos ocorridos após não fazem parte dessa crônica.

Rodrigo Granzotto Peron

7 - SUBIDA FEMININA NO AMIN BRAKK

Amin Brakk (5850m) é um desafio incrível, culminado apenas três vezes anteriormente, todas as vezes pela Face Oeste. A primeira subida ocorreu em 1999, por David Stastny, Filip Silhán e Marek Holecek, quando eles estabeleceram a Rota Tcheca Expressa. A primeira feminina foi pelas mãos da espanhola Silvia Vidal, também em 1999, por uma nova rota - Sol Solet.

Em 2010 uma cordada feminina desafiou a encosta oeste. O cume foi tocado pela russa Galina Chibitok e pelas ucranianas Anna Yasinskaya e Marina Kopteva. Elas fizeram a primeira repetição da Rota Tcheca Expressa, com uma ligeira variação. Fizeram cume em 19 de julho.

8 - SHERPALOOZA

Antigamente os Sherpas ficavam vinculados a um pico específico (como Apa no Everest, Nawang Thile no Cho Oyu e Dawa II no Dhaulagiri). Quando muito, eles se especializavam em duas montanhas, normalmente Everest e Cho Oyu. Muito poucos alpinistas nepalis nos tempos antigos davam-se ao luxo de escalar três 8000 diferentes.

Mas a história mudou nos últimos dias. Um número crescente de nepaleses vêm colecionando 8000ers e quebrando vários recordes. Por exemplo, em 2010 Mingma I Sherpa e seu irmão Chhang Dawa Sherpa culminaram quatro picos 8000 diferentes em cerca de 100 dias: Annapurna (Abril), Dhaulagiri (Maio), Nanga Parbat (Julho) e Gasherbrum I (Agosto). Eles dividem o atual recorde de quatro 8000 em um ano-calendário com 11 outros alpinistas. Agora, resta apenas o Kangchenjunga para Mingma se transformar no primeiro nepali com todos os 14 cumes 8000. A expedição está agendada para a primavera de 2011.

Em 2010 foi Sherpalooza no Karakoram, com vários nepaleses em evidência. No Nanga Parbat os irmãos Mingma I and Chhang Dawa culminaram. No Gasherbrum II, Pemba I Sherpa, Tshering Dorje III, Sanu (4x8000ers), Pasang Lama Bhote e Pema Tshering I (8x8000ers). No Hidden Peak, culminaram de novo, fazendo double-headers, Tshering Dorje III (8x8000ers), Pasang Lama Bhote (7x8000ers), Mingma I (13x8000ers) e Chhang Dawa (7x8000ers).

Continuando no tema, segue a lista de recordes dos nepaleses:

I - Nepalis com mais 8000 diferentes (“internal race”):

13 Mingma I Sherpa

11 Serap Jangbu Sherpa

09 Dawa Wangchuk Sherpa

08 Pema Tshering Sherpa
08 Tshering Dorje III Sherpa

07 Nima Dorje Sherpa
07 Chhang Dawa Sherpa
07 Pasang Lama Bhote

06 Nima Temba Sherpa
06 Phurba Chhiri Sherpa
06 Dawa Tshering Sherpa
06 Tshering Dorje II Sherpa

05 Pemba Tshering Sherpa
05 Lhakpa Rita II Sherpa
05 Pemba Rinji Sherpa
05 Thilen Sherpa
05 Jumik Bhote
05 Lhakpa Tshering IV Sherpa
05 Marty Schmidt
05 Tarke Sherpa
05 Dawa Chhiri Sherpa
05 Tika Ram Gurung
05 Lhakpa Dorje V Sherpa

II - Nepalis com recordes em cada 8000:

EV – 20 cumes – Apa Sherpa
K2 – 2 cumes – Serap Jangbu Sherpa e Thilen Sherpa
KG – 4 cumes – Dawa Wangchuk Sherpa
LH – 4 cumes – Palden Namgye Sherpa e Chewang Lendu Sherpa
MK – 3 cumes – Lhakpa Dorje Sherpa
CH – 9 cumes – Danuru Sherpa
DH – 4 cumes – Ang Rita Sherpa e Dawa II Sherpa
MN – 3 cumes – Kusang Dorje Sherpa e Phurba Chhiri Sherpa
NP – 1 cume (vários sherpas) *
AN – 3 cumes – Ang Dawa Tamang
G1 – 3 cumes – Dawa Wangchuk Sherpa
BP – 1 cume (vários sherpas) *
G2 – 1 cume (vários sherpas) *
SH – 1 cume (vários sherpas) *

Observações:

a) * Nanga Parbat, Broad Peak, Gasherbrum II e Shishapangma nunca foram repetidos por sherpas.

b) Nepalis são os recordistas absolutos no EV, KG, LH, MK, CH, DH, MN e AN. Eles dividem o recorde com alpinistas de outras nacionalidades no K2.

9 - PRIMEIRA ASCENSÃO EM PICOS MENORES

VENERE PEAK (China, 6500m)

Como preparação para a Face Leste do G1, os italianos Hervé Barmasse, Daniele Bernasconi e Mario Panzeri fizeram a primeira ascensão de um ponto remoto na aresta do Hidden Peak, batizando de Venere Peak. Barmasse descreveu assim a escalada: “Subida muito difícil em terreno misto, com cornijas, neve profunda e uma descida através de uma rota diferente e complicada, para evitar bivacar”. A rota é longa - 2150 metros - e os últimos 800 metros foram imensamente complexos.

HASSIN PEAK (Paquistão, 6337m) [ou FAROL WEST, 6370m]

Outro time italiano divulgou ter feito a primeira ascensão do Hassin Peak, que fica entre o K6 e o K7, no Vale Hushe, Karakoram, e é considerado escalada de nível elevado. A primeira tentativa nesse pico supostamente havia sido realizada por Steve Swenson, Hans Mitterer e Raphael Slawinski, em 2005, via Esporão Oeste (a partir do Glacial Charakusa).

Aproveitando uma breve janela de tempo, após tentar a Face Oeste do K7 (na qual eles completaram sete entradas), Daniele Nardi e Lorenzo Angelozzi atingiram o cume em 19 de Agosto. A dupla reportou muitas avalanches, baixas temperaturas e um longo período de nevascas. Surpreendentemente, Angelozzi tem apenas 19 anos e essa foi sua primeira expedição ao Karakoram.

Mais tarde, em um artigo publicado para o BMC, o especialista Lindsay Griffin corrigiu a história. De fato, os italianos abriram apenas uma nova rota no Flanco Oeste do Farol Oeste (6370m), um pico que havia sido escalado já em 1991, por time britânico.

Mais detalhes: www.thebmc.co.uk/News.aspx?id=3903

BAUSH-UL PEAK (5610m) e SEBAS TOWER (Paquistão, 5860m)

A “Equipo Nacional Femenino de Alpinismo” (ENFA), da Espanha, dentro do “Proyecto Karakórum”, com Miriam Marco (29a), Maialen Ojer Tsakiridu (39a), Maider Fraile Arce (33a) e María Asunción Yanguas (33a), juntamente com o guia Simón Elías, após dura sessão de treinamento, se dirigiu ao Paquistão para desvirginar algum pico.

Como aquecimento, eles dominaram o Baush-Ul Peak (5610m), no Valei Hushe. O cume foi pisado por Asunción, Maider, Maialen e Miriam, na companhia da famosa Ester Sabadell (filmando), Simón Elías e o porter Hassan Jan (Paquistão), em 4 de agosto.

O objetivo principal foi a Sebas Tower (c 5860m), uma agulha no maciço do Masherbrum, descrita pelas espanholas como “um enorme guarda-chuva de bruxa”. Em 13 de agosto, Maialen e Maider foram até o cimo, uma grande conquista para o montanhismo feminino espanhol.

SUTHERLAND PEAK (Quirguízia, 5080m) e ILLUMINATION PEAK (Quirguízia, 5048m)

Os norte-americanos Michael (Mike) Royer e Chris Parenteau, além do inglês Jamie Maddison realizaram a primeira subida do Pik 5080, batizado de Sutherland Peak, via Face Leste; e do Pik 5048, nomeado Illumination Peak, via Face Nordeste. Ambos ficam no Vale Djangart, Tien Shan.

Mais detalhes: www.thebmc.co.uk/News.aspx?id=3882

CHASHKIN SAR ou SAMINA PEAK (Paquistão, 6400m)

Chashkin Sar (6400m) fica no Vale Maidur, Shimshal, Paquistão. A expedição sob liderança de Mirza Ali, e composta por Stelian Pavalche (ROM), Tafat Shah, Yahya Baig, Salmat Khan, Arshad Karim e Samina Baig desvirginou esse pico no começo de September.

Eles mencionaram que “o pico tem dois pontos com aproximadamente 35 a 40 graus e duas gretas. O cume em si tem um serac enorme no lado leste. O topo do Chashkin Sar (Samina Peak) é um grande platô”.

Samina Baig (18a), é uma jovem alpinista que é sobrinha dos renomados Yousef Khan e Mohammad Ullah, dois dos maiores ídolos do Vale Shimshal. Chashkin Sar é o primeiro passo para vôos mais ambiciosos em 2011, talvez um 7000.

CHICHE PEAK (5860m) e SHALMUKI (5068m)

Os alemães Christian Walter e Jens Sommerfeld pisaram no cume do Chiche Peak (11 de agosto) e Shalmuki (1º de agosto), duas primeiras ascensões no Vale Chiche, a sul do Vale Rupal. O pico nomeado por causa do vale foi desafiado anteriormente por Albert Mummery e time (em 1895), sem sucesso. Mais de um século após, e finalmente foi dominado.

10 - VENTOS CONGELANTES NO LATOK (DE NOVO)

Duas expedições ganharam permit para o Latok I (7151m).

A primeira, um time sueco, com Kristor Jonsson, liderado por David Walter Faelt. A “estratégia é a de chegar o mais tarde possível na temporada para ter a Aresta Norte o mais seca possível”, nas palavras do líder. Mas as enchentes no Paquistão impuseram obstáculos logísticos que levaram ao adiamento para o próximo ano.

A outra expedição era japonesa, com Fumitaka Ichimura, Yusuke Sato e Katsutaka “Jumbo” Yokoyama. Os Giri-Giri Boys não são um clube oficial de alpinismo, mas apenas um grupo de amigos com a mesma paixão por montanhas. Para participar do time, é necessário ser convidado (outros membros: Kazuaki Amano, Ryo Masumoto, Takai Nagato, Yasushe Okada e Genki Narumi). “Giri Giri” significa no limite. E eles são especialistas em escaladas extremas e rotas complexas por todo o globo.

Essas são algumas das incríveis realizações desses japoneses nos últimos anos:

2008 – Kalanka (face norte)
2008 – Denali (Isis Face + Rota Eslovaca Direta)
2008 – Bears Tooth (face nordeste)
2009 – Spantik (Golden Pillar)
2009 – Tawoche (face norte)
2010 – Mt. Church (face norte)
2010 – Denali (esporão oeste)
2010 – Mt. Hunter (Moonflower Buttress)
2010 – Mt. Logan Leste (face sudeste)

Para a presente temporada de verão eles escolheram a extremamente difícil Aresta Norte do Latok I, uma linha de 2500 metros de desnível. Essa rota foi experimentada apenas duas vezes antes. Em 1978, Jim Donini, Michael Kennedy, George Lowe e Jeff Lowe (eles foram quase ao cimo, desistindo a 7000 metros). A segunda, de Maxime Turgeon e Louis-Phillippe Menard, em 2006, de novo sem sucesso.

Os japoneses fizeram duas tentativas, ambas terminadas em 5900 metros: uma linha na Face Norte e a Aresta Norte. As razões do fim da expedição foram o grau de periculosidade nas partes mais altas do Latok, a constante queda de pedras e o tempo instável.

11 - TENTATIVAS NO K7

K7 é outra agulha difícil no Paquistão, com quase 30 tentativas e bem poucas ascensões completas. O pico principal do K7 (6934m) foi primeiramente escalado pelos japoneses em 1984. O K7 Oeste (6858m) foi dominado em primeira mão por time esloveno, em 2007.

Em 2010 três expedições independentes apareceram.

O K7 principal foi desafiado por time espanhol (Miguel Anta, Rubén Calvo e Cecilia Buil). Eles optaram por escalar a Face Sudoeste e depois prosseguir pelo Pilar Oeste nos últimos 1000 metros. Após desgastante escalada em rcoha, uma tempestade os forçou de volta ao base. Eles quase concluíram a Rota Eslovena de 2008.

No vizinho K7 Oeste, os italianos Daniele Nardi e Lorenzo Angelozzi completaram apenas 7 enfiadas antes de desistir.

Também no K7 Oeste, os russos Oleg Koltunov e Vjacheslav Ivanov abriram uma nova linha na íngreme Face Leste. Ainda não há detalhes completos sobre essa escalada.

12 - TENTATIVA NO GASHERBRUM V

Os amigos sul-coreanos Jang Ji-Myeong, Lee Sang-Il, Im Il-Jin e Kim Hyeong-Il formaram um grupo que almeja 10 escaladas de altíssimo nível na Ásia. Ano passado, Kim abriu uma nova rota na Face Nordeste do Spantik (7027m), em estilo alpino. Para este ano eles escolheram o Gasherbrum V (7147m), na expectativa de desenhar uma nova linha nesse 7000. Lee explicou: “Nós não devemos nos limitar aos 8000” e “precisamos também explorar montanhas e picos que não são os mais altos mas que apresentam desafios de escalada” (no website JoongAng Daily).

Como relatado no ExplorersWeb: “condições difíceis e exaustão forçaram eles a retornar de 6550 metros”.


*A presente crônica é baseada em dados preliminares e ainda sujeitos a análise. Alguns números poderão ser corrigidos ou modificados nos próximos meses.




Publicidade:


Publicidade

Publicidade