Pedra do Sino, a trilha mais antiga e visitada da Serra dos Órgãos - AltaMontanha.com - Portal de Montanhismo, Escalada e Aventuras
176 da conquista

Pedra do Sino, a trilha mais antiga e visitada da Serra dos Órgãos


Colunista:

Há 176 anos o botânico Gardner e os escravos de March chegaram ao “cimo”

Teresópolis tem o título de Capital Nacional do Montanhismo não é à toa, mas destacar as formações rochosas do município e região não é o suficiente para justificar essa fama mundo afora. Para quem conhece um pouco da história desse esporte, sabe que a terra de Teresa é referência nesse quesito. A conquista do Dedo de Deus, por exemplo, em 08 de abril de 2012, é vista como um marco para a escalada brasileira. Mas, 71 anos antes do feito de José Teixeira e companheiros, outra empreitada marcou o início do montanhismo na Serra dos Órgãos: O desbravamento da Pedra do Sino. A trilha mais conhecida do PARNASO foi aberta em abril de 1841 a mando do botânico inglês George Gardner, interessado em explorar nossa flora. Hoje, o parque federal é referência em pesquisas e o caminho aberto com a intenção de explorar a floresta é o mais frequentado da cadeia.
 
A primeira grande proeza na história do montanhismo na Serra dos Órgãos completou 176 anos no último 10 de abril. Depois de vencer a mata virgem, cabendo o trabalho pesado a cerca de 100 escravos do colonizador George March, Gardner chegou aos 2.255m de altitude, que, só depois, descobriram ser o ponto mais alto da cadeia de montanhas que encantava o mundo. Muitos anos à frente, outra época marcou o Sino. Quatro abrigos foram construídos ao longo dos 11,5 quilômetros e a trilha bem aberta, de acesso muito mais fácil do que nos dias de hoje. Além disso, houve um tempo que se chegava ao cume a cavalo.
 
Os abrigos foram desaparecendo aos poucos – hoje há um novo chalé no quatro e dos outros apenas resquícios, a trilha foi ficando bem mais fechada e o número de frequentadores aumentou bastante. Tanto que há cerca de dez anos a administração do parque precisou limitar o número de visitantes por dia. No ponto mais alto da Serra dos Órgãos, a vista é deslumbrante para qualquer lado que se olhe. O fantástico Vale da Morte, a Baía de Guanabara, Teresópolis, Petrópolis... De cima, outras montanhas da cadeia, como Garrafão, Dedo de Deus, Escalavrado, Dedo de Nossa Senhora, Nariz e Verruga do Frade... É fácil ficar horas encantado com as belezas e o clima desse local.
 
Para chegar ao marco zero, que marca o ponto mais alto, se faz uma caminhada de aproximadamente quatro horas. Porém, o tempo de subida pode variar bastante, de acordo com o peso da mochila e preparo físico da pessoa. Para quem nunca esteve lá, a dica é subir à noite e descer durante o dia. Duas impressões totalmente diferentes do trajeto. Subir admirando as luzes da cidade... Descer contemplando, fauna, flora e beleza cênica única. Porém, principalmente à noite, a presença de alguém que conheça o caminho é indispensável. De extrema importância também é nunca pegar atalhos. O caminho que parece mais curto geralmente é mais íngreme, e, pior, passar por ele causa danos quase que irreparáveis a trilha.
 
Por experiência própria, posso dizer que chegar ao cume da Pedra do Sino é uma sensação que deveria ser experimentada. Sentir e ver de perto o que atrai gente do mundo inteiro e, com certeza, também se apaixonar por tudo isso. Eu, que já estive em praticamente todos os cumes da Serra dos Órgãos, não consigo deixar de pernoitar, pelo menos uma vez por ano, no ponto mais alto da cadeia. Aliás, vem daí o nome. O “sino”, na verdade, é cimo, de cume. Para saber mais sobre o passeio, vale acessar o site do Parque Nacional www.icmbio.gov.br/parnaso
 
O Cavalo Fantasma
 
Em outros tempos, bem antes do moderno chalé que recebe montanhistas e turistas no abrigo de número quatro da Pedra do Sino, não era a trilha longa ou muito menos o frio que afastava as pessoas do ponto mais alto da Serra dos Órgãos. A história de que um “cavalo fantasma” costumava aparecer naquela clareira arrepiava qualquer um que por acaso tivesse que acampar lá em cima. E o “causo” foi contado por muitos anos, assustando mateiros experientes e até guias de montanha, havendo alguns relatos dos “relinchos da madrugada”.
 
A lenda faz parte da história do Parque Nacional e foi publicada no livro “Serra dos Órgãos” (Editora Brasiliense), de autoria de Claudio Nagy. “Os mais antigos, incluindo os ex-guardas florestais e alguns mateiros conhecedores da região, se convidados a servirem como guias rumo à Pedra do Sino, lhe dirão que não têm interesse em seguir em direção a tal pedra. Talvez um ou outro aceite ir mediante uma condição: A de não permanecer à noite nos campos de altitude, mais precisamente na Clareira do Quatro. Dizem que ocasionalmente o sono noturno dos aventureiros é perturbado pela visita inesperada de um cavalo invisível, que galopando apressadamente dá a nítida impressão que irá passar por cima de tudo e de todos. Em seguida, lança um fortíssimo relinchar de arrepiar até os mais incrédulos, acompanhado do reinício da sua cavalgada, a qual se distancia lentamente”, diz trecho do texto.
 
“Certa vez, dirigindo-me ao Sino com mais três amigos e sem conhecer essa história, chegamos ao Abrigo Quatro por volta das duas horas da manhã, sob um intenso nevoeiro. Rapidamente montamos um abrigo provisório, só estendendo um plástico sob e sobre os sacos de dormir e fomos nos deitar. Porém, para nosso espanto, logo a seguir ouvimos um som seco ecoando rente ao chão e em nossa direção. Instintivamente levantamos com receio de sermos atropelados. A única coisa de concreto que pudemos constatar foi o som do trote de um animal seguido do seu forte relinchar. Naquele dia não havia nada e ninguém no local além de nós. A trilha de acesso ao Sino estava extremamente ruim, dificultando até mesmo a nossa chegada até lá. De volta à civilização, tamanha foi a minha surpresa ao comentar o que acontecera com alguns guardas, e estes, de sobressalto, revelaram um antigo conhecimento do fato. Seja como for, os encantos naturais da Serra dos Órgãos (incluindo a Pedra do Sino) valem a pena ser conhecidos, e um pernoite no Abrigo Quatro lhe dará a rara oportunidade de contemplar em noites limpas um céu maravilhosamente ornamentado por milhares de estrelas reluzentes. O ar puro e o forte cheiro de mato o fará sentir parte integrante dessa natureza. Tudo isso e ainda mais: Existe a chance de você poder ser visitado por esse afobado, mas inofensivo cavalo noturno”, completa Claudio.
 



Publicidade:


Publicidade

Publicidade