Qual é a escalada certa para você? - AltaMontanha.com - Portal de Montanhismo, Escalada e Aventuras
Modalidades

Qual é a escalada certa para você?

Caminhada de trilhas e rapel não são escalada, esta informação chocante pra uns e óbvia pra outros faz uma grande confusão na mente da população em geral. A escalada é um universo do qual a trilha e o rapel fazem parte, mas onde eles por si só, separados ou juntos não caracterizam uma escalada.

Fonte: Por Debora Hashiguchi

Muitos escaladores já passaram pela situação de estar conversando com alguém e esta pessoa dizer: “Ah, você escala? Eu também, outro dia fiz uma trilha até ...” ou então “...outro dia fiz um rapel...”. Para a caminhada em trilhas não são necessários equipamentos específicos e técnicas de escalada na ascensão e o rapel é uma das técnicas utilizadas na descida da montanha, depois de escalar uma via ou rota. A escalada tem muitas particularidades, diferentes equipamentos de proteção, diferentes exigências motoras, diferentes exigências psicológicas, diferentes formas de condicionamento, diferentes técnicas, ou seja, a escalada é um esporte bastante variado e complexo, a escolha da modalidade a ser praticada depende de muitos fatores inerentes a cada indivíduo. Existem muitas formas de se classificar a escalada, nesta matéria a classificação ficou por conta das diferentes técnicas.

Escalada em gelo com duas principais modalidades:

Alpinismo, praticado em grandes montanhas, muitas vezes nevadas, podem durar muitos dias, o objetivo é chegar ao topo da montanha onde os grandes desafios são: a logística de alimentação e avanço, fator psicológico, condicionamento físico geral, altitude, onde o ar é rarefeito; temperaturas extremamente baixas; as condições meteorológicas e a consistência do gelo.

Esportiva, praticada em cachoeiras congeladas, o objetivo é chegar ao topo da cachoeira, a escalada dura menos de um dia. Os desafios são: a logística de avanço, fator psicológico, condicionamento físico geral; baixa temperatura; e a consistência do gelo.

Escalada em rocha, realizada em falésias, com três principais modalidades:

Tradicional ou clássica geralmente necessitam ser escaladas em várias etapas com horas a dias de duração. A exigência psicológica ainda é grande, a logística ainda tem que ser levada em consideração, assim como as condições meteorológicas, apesar do clima ser menos instável do que na alta montanha, e o condicionamento muscular deve ser maior e mais específico que a escalada em gelo. O objetivo é chegar ao cume da montanha;

Esportiva, mais baixa que a tradicional, geralmente não chegam a uma hora de duração e o objetivo deixa de ser a chegada ao cume se volta para a realização da movimentação em sequência, sem “erros”, a exigência de condicionamento físico é mais específica;

Boulder: escalada em pequenos blocos de poucos metros de altura. Como a escalada esportiva, o objetivo é realizar uma movimentação em sequência, nesta modalidade a exigência de condicionamento é muito específica.

Em muitas escaladas de alta montanha ainda existem as escaladas mistas onde tanto a escalada em gelo como a escalada em rocha são necessárias para a progressão. As diferenças entre as modalidades levam a diferenças na especificidade dos níveis de dificuldade, desgaste físico e superação pessoal, cada modalidade tem seu equipamento específico, mas em todas as modalidades é grande a importância de um companheiro de escalada para ajudar na segurança. Uma pessoa que nunca praticou qualquer atividade física ou que nunca escalou pode iniciar sua prática na modalidade que escolher de acordo com seu nível atual de condicionamento e fator psicológico, principalmente porque os treinamentos tendem a ser indoor.

E para quem se queixa de não ter mais idade para tal prática posso afirmar, com certeza, que a escalada não tem idade, em 2003 um amigo foi para o Japão e voltou contando muitas aventuras, mas uma que me chamou especial atenção foi a de um grupo com quem escalou, onde a idade média de idade era de 60 anos. No Japão isso é muito comum. O recorde masculino mundial de subir ao topo do Everest pertence a Min Bahadur Sherchan, 76 anos, e o recorde feminino que era de Tamae Watanabe aos 63 anos foi batido por ela mesma em maio último (2012), agora com 73 anos.

Assim como outros esportes a escalada também pode ser praticada por pessoas portadoras de necessidades especiais, Campeonatos Mundiais assim como o Campeonato Brasileiro de Boulder e Festivais brasileiros já contam com a versão paraescalada, são indivíduos surdos, mudos, cegos, deficientes físicos e mentais que estão cada vez mais se inserindo no mundo da escalada. Em junho (2012) foi noticiada a façanha de Spencer West que, com 31 anos e nenhum membro na parte inferior do seu corpo, escalou o ponto mais alto da África, o Kilimanjaro, uma escalada de alta montanha, em 7 dias.

Hoje em dia famílias inteiras compartilham momentos de escalada juntos, crianças pequenas, crianças grandes, pais novos, pais velhos, sem os limites de idade, cultura, classe social ou forma física, todos vivem uma rica experiência de interação com o meio, com os outros e consigo mesmo. Grandes aventuras que fortalecem os laços de amizade e companheirismo, aumentando as recordações memoráveis que levamos para o resto de nossas vidas.

Com todo este estímulo, notícias de crianças realizando feitos nunca conquistados por muitos adultos começam a ser notícia mundial. Ashima Shiraishi, uma pequena garotinha de 10 anos, conquistou um título almejado por toda escaladora, é oficialmente a quinta “mulher” a escalar um boulder V13, um grau de dificuldade alcançado por poucos escaladores, em todo o mundo da escalada. Algumas escolas brasileiras começam a reconhecer os benefícios da escalada para o público infantil e incentivam sua prática investindo em aulas como atividade extra curricular ou como parte do currículo de educação física.

A escalada certa para você é aquela que faz você se sentir melhor, a que mais te dá prazer, a que mais te faz feliz, experimente todas as que puder e faça sua escolha.

A recompensa alcançada por quem sai da rotina de andar apenas sob solos habitados, são as belíssimas paisagens singulares, impossíveis de se ver a pequenas alturas. Em todas as modalidades de escalada somos convidados a rever nossos conceitos, abrir a mente e completar nossa visão de mundo, vê-lo de um ângulo diferente. Quem nunca entendeu a teoria do filme “Sociedade dos poetas mortos”? Nenhum exemplo é melhor que este, para quem não assistiu... assista. Como disse Robin Willians: “Atreva-se a destacar-se, a encontrar um novo solo”.

Publicidade:


Publicidade

Publicidade