Conheça a Serra do Cipó - AltaMontanha.com - Portal de Montanhismo, Escalada e Aventuras
Serras do Brasil

Conheça a Serra do Cipó

Um lugar repleto de espécies animais, vegetais, cachoeiras, lagoas, cânions, corredeiras, piscinas naturais, pinturas pré-históricas, além de um povo simples e hospitaleiro. Esta é a Serra do Cipó, região de 100 mil hectares localizada a apenas 100 quilômetros de Belo Horizonte, em Minas Gerais.

Fonte: Texto de Margareth Meza

 

Esse pedaço mineiro, tão perto da capital e ainda desconhecido por grande parte dos brasileiros, abriga o Parque Nacional da Serra do Cipó, criado em 1984 com o objetivo de proteger a flora da Serra do Espinhaço, localizada em torno do parque.
 
A área de preservação possui 33.800 hectares e é um prato cheio aos aventureiros que não abrem mão de praticar modalidades esportivas radicais, como escalada de montanha, trekking e tirolesa, entre outros. No local, estão localizados os municípios de Jaboticatubas, Santana do Riacho, Morro do Pilar e Itambé do Mato Dentro.
 
Ao redor do Parque, há uma APA (Área de Proteção Ambiental) denominada Morro da Pedreira. Nela, estão as quatro cidades listadas acima e porções de Conceição do Mato Dentro, Itabira, Nova União e Taquaraçu de Minas.
 
Já no Circuito Serra do Cipó, criado para incentivar o turismo local, estão Santana do Riacho, Jaboticatubas, Nova União, Itambé do Mato Dentro, Itabira, Congonhas do Norte, Dom Joaquim e Conceição do Mato Dentro.
 
FAUNA E FLORA
 
Entre os botânicos, a serra é conhecida como o Jardim do Brasil pela grande variedade de flores que pode ser encontrada nas imediações. São 1.600 espécies catalogadas, mas acredita-se que esse número não represente nem metade das realmente existentes pelos arredores.
 
A vegetação também é variada, já que abriga a maior amostra de campos rupestres de todo o território brasileiro. Esse tipo de flora é encontrado sobre topos de regiões serranas e chapadas em altitudes superiores a 900 metros.
 
A fauna da região não fica atrás no que diz respeito à diversidade. Entre os animais que habitam a serra, há tamanduás-mirins, sagüis, capivaras e lobos-guarás. Vale ressaltar que algumas espécies são endêmicas, ou seja, só podem ser encontradas em determinada região do Planeta. Para se ter idéia da importância biológica deste santuário ecológico, só é possível encontrar endemismo similar em outras duas áreas montanhosas do mundo: Andes, na América do Sul, e Himalaia, na Ásia.
Para a arqueologia, o espaço guarda tesouros preciosos, com até 12 mil anos: trata-se de gravuras feitas pelo homem pré-histórico e que estão espalhadas pelas formações rochosas do local.
 
COMO CHEGAR
 
DE CARRO
 
De São Paulo a Belo Horizonte: Pegar a Rodovia Fernão Dias (BR 381) durante todo o percurso.
 
De Belo Horizonte à sede do Parque Nacional, em Jaboticatubas: O acesso deve ser feito pela MG-010 (linha verde) em direção do município de Lagoa Santa. Em seguida, será necessário atravessar a cidade e continuar até o quilômetro 95, em frente ao Hotel Veraneio. De lá, o motorista deve prosseguir por uma estrada de terra por mais 3,5 quilômetros até a portaria da reserva do Parque Nacional da Serra do Cipó.
 
DE ÔNIBUS
 
De São Paulo a Belo Horizonte: A Viação Cometa. Informações: 4004-9600 ou www.viacaocometa.com.br
 
De Belo Horizonte a Serra do Cipó: A Viação Saritur. Informações: (0xx31) 3272-8525.
 
A Viação Serra também vende passagens para o destino. Informações: (0xx31) 3201-9662. * Os ônibus partem diariamente da Rodoviária de Belo Horizonte. 
 
PARQUE NACIONAL
 
Endereço: Rodovia MG 10 Km 94 Telefone: (0xx31) 3718-7228 e (0xx31) 3718-7237 Fax: (0xx31) 3718-7210 
E-mail: gestor@circuitoserradocipo.org.br 
O parque cobra entrada e o ingresso deve ser adquirido na portaria do parque. 
Capacidade máxima de visitação: 200 pessoas por dia 
Dias e horários de funcionamento: diariamente, de 8h às 17h Infra-estrutura e serviços no local: estacionamento para 200 veículos, sinalização do local, portaria, sanitários, trilhas interpretativas, segurança.
 
A visitação a todos os atrativos do parque é autorizada somente após preenchimento de termo de responsabilidade e pagamento de ingresso, que devem ser feitos na portaria ou na Associação dos Condutores Ambientais e Montanhistas do Circuito Serra do Cipó, localizada na Vila Serra do Cipó, antiga Cardeal Mota. Informações: (0xx31) 8603-4235.
 
DICAS
 
Na Serra do Cipó não há posto de gasolina, agência bancária, caixa eletrônico, hospital, chaveiros, transporte coletivo e peças para automóveis. Se você não gosta de mosquitos, não esqueça de colocar o repelente na mala. Também não deixe de levar pilhas ou baterias para a máquina fotográfica.
 
CLIMA
 
Não há clima ruim na Serra do Cipó. De dezembro a março, as cachoeiras e rios estão mais cheios. De maio a agosto, a temperatura é ideal para caminhadas por conta da temperatura amena, que fica em torno dos 26 ° C durante o dia.
 
LENDA DA REGIÃO
 
Nem só de aventura vive a Serra do Cipó. A cultura popular, com suas lendas e mistérios, também ronda o imaginário de quem habita suas cidadezinhas, vilas e distritos.
 
O principal símbolo dessa manifestação, erguida no topo da serra, é a estátua do Juquinha, um andarilho que vagava pelos campos colhendo flores, mudas e raízes para trocá-las por objetos, comida ou simplesmente entregá-las aos turistas, pois sua maior intenção era agradar aos visitantes.
 
Várias histórias rondam esse personagem regional. Algumas pessoas acreditam que se trata de um duende ou mesmo de um extraterrestre.
 
Tudo isso pelo fato de que possuía uma doença rara, que fazia com que seu coração parasse de bater sem que estivesse realmente morto. Em um instante as pessoas o velavam. De repente, ele se levantava do caixão e todos levavam um grande susto.
 
Juquinha da Serra, como era chamado, nunca se casou. Morreu em 1983 e, quatro anos depois, em 1987, foi erguida a estátua de três metros de altura para retratar sua imagem, considerada símbolo de proteção pelos moradores.
 
Para chegar ao local, é necessário seguir pela rodovia MG-010, sentido Conceição do Mato Dentro, até o quilômetro 117. Da estrada, há um caminho com calçamento de pedra que dá acesso ao monumento.
 
Texto de Margareth Meza
 

Publicidade