O gelo do Bernina traz à tona o cadáver de um alpinista desaparecido em 1980 - AltaMontanha.com - Portal de Montanhismo, Escalada e Aventuras
Mundo estranho

O gelo do Bernina traz à tona o cadáver de um alpinista desaparecido em 1980

Um dos glaciares que desce até a Itália no maciço Bernina (nos alpes ítalo-suíços) devolveu o corpo do alpinista e esquiador Gregory Barnes 35 anos depois de seu desaparecimento.

Fonte: Desnivel.com

O encontro do corpo do alpinista e esquiador Gregory Barnes pôs fim a muitos anos de ansiedade para sua família, que chegou a manter viva, durante algum tempo, a chama da esperança de que ele estivesse vivo. Tudo começou em janeiro de 1980, quando o jovem, então com 24 anos, partiu da Alemanha com a intenção de escalar e descer esquiando do Piz Bernini, nos alpes orientais. 
 
Segundo o relato das autoridades, as últimas pessoas que estiveram com ele disseram que ele parou no começo da descida para colocar os esquis corretamente, o que o obrigou a separar-se do resto de seu grupo. Esta foi a última vez em que o viram. As autoridades suíças e italianas iniciaram um resgate por terra e ar que durou várias semanas, mas a busca resultou infrutífera e Greg foi dado como morto.
 
Se desconhece exatamente se Greg teve um problema com seu equipamento, se perdeu um esqui ou se se perdeu, mas o que se poe constatar é eu ele caiu em uma greta profunda e ali faleceu. Um esquiador ou alpinista que desaparece sem dar nenhum sinal dificulta muito o trabalho de busca e resgate - sem contar que as tecnologias usadas para isso em 1980 não eram tão sofisticadas como as usadas atualmente. 
 
A irmã de Greg, Sonia Barnes, foi quem recentemente recebeu a ligação da polícia italiana, que deu informações sobre o achado do corpo. Ela concedeu entrevista à rede canadense de televisão CBC: “Encontrar o corpo, como em muitos casos de esquiadores e alpinistas desaparecidos, põe fim a muitos anos de mistério e sofrimento. A notícia é triste, mas fecha um ciclo. Quando não encontramos o corpo, mantemos a esperança, mas com o passar dos anos a sensação de tristeza e mistério aumenta. Foi assim por 35 anos. Agora, por fim, podemos ficar em paz. Sem dúvida, agora tenho certeza de que ele está bem one está”. 
 
A movimentação do glaciar Scerscen superior e as altas temperaturas registradas nos alpes durante o verão passado fizeram com que o corpo de Greg deslizasse por dentro do gelo derretido até aparecer na Itália. as autoridades conseguiram confirmar sua identidade graças ao passaporte encontrado dentro do casaco de Greg. A família declarou que o corpo será levado de volta a Toronto, no Canadá. 
 
 
 
 
 

Publicidade:


Publicidade

Publicidade