Caçadores de Bromélias

0

O Paulo Marinho preferiu fotografar passarinhos em outra freguesia, mas o Moisés Lima aceitou o convite de imediato e no sábado nos encontramos num estacionamento na Av. das Torres. De Ponta Grossa vieram a Berenice e o Shyguek e para minha surpresa lá estavam também o Pedro Hauck com a Camila. Embarcamos todos na Kombi pilotada pelo Sr. João e descemos para Garuva numa bela e quente manhã de sol com céu totalmente limpo. Viaja de Kombi quem não tem pressa nem opção e as 11:30 horas descemos no oleoduto da Petrobrás depois de cruzar o Rio São João.

 

Na estradinha abandonada encontramos um limoeiro carregado com frutos maduros que esperariam nosso retorno para a coleta e um esqueleto de cachorro que pelo tamanho imagino pertencer a um daqueles que me confrontaram na última vez que ali estive. A trilha estava agradável como sempre e as amoras silvestres começando a madurar, mas no subidão o calor se tornou quase insuportável e a Berenice passou uns maus bocados só contornado depois de um longo e merecido descanso para o almoço nas margens do refrescante riacho das alturas.

 

O Pedra Branca não apresenta nenhum desafio fora a caminhada, mas é uma montanha e cobra respeito muito além dos seus mil metros de desnível para os mil duzentos e poucos metros de altitude vencidos em poucos quilômetros. Uma nuvem encobriu o sol enquanto nos distraíamos com a comilança e a temperatura mais amena facilitou a caminhada.

Dali até o cume os caçadores de bromélias sentiram-se no paraíso. Árvores baixas e mirradas, forradas de musgo com bromélias e orquídeas na altura dos olhos. Centenas de espécimes em todos os estágios de desenvolvimento imagináveis e a caminhada se tornou lenta, olhos atentos nas árvores e nos galhos. O montanhismo deixou de ser prioridade para procurar bromélias, mas não uma qualquer.

 

Shyguek Nagazak Alves Miyamoto fazendo mestrado em biologia evolutiva estava interessado no gênero Aechmea e foi regiamente recompensado nas suas buscas, mas Berenice Nágela Silva de Lima, formada em ciências biológicas, só tinha olhos para o gênero Racinaea e amargou certa decepção ao não encontrá-las pela trilha. Também seria muito otimismo dar de cara na trilha com uma espécie vista pela última vez, no Paraná, no ano de 1968. Ambos desenvolvem o projeto de pesquisa Estudos taxonômicos em Monocotiledôneas no estado do Paraná, com ênfase em Bromeliaceae e Orchidaceae

pela Universidade Estadual de Ponta Grossa – UEPG – e apesar dos pesares saíram satisfeitos com o conhecimentos adquiridos que os ajudarão a retornar outras vezes a procura da célebre desaparecida.

 

Distraídos na caçada, pouco reparamos que nos mirantes a neblina já obstruía a vista até que despontamos nos campos cercados pelo úmido nevoeiro que no cume já se transformava em chuva gelada. Só o Pedro e a Camila trouxeram anorakes e o Shyguek, disciplinado como todo bom japonês vestiu uma capa plástica que tinha na mochila. Nós três ficamos batendo queixo na chuva e no vento enquanto esperávamos o Pedro lascar pedra com seu inseparável martelo. Bastaram poucos minutos para a chuva encharcar os moribundos até os ossos e nos botar pra correr dali de cima. Um retorno apressado, molhado, frio e escuro para a Berenice jamais esquecer. Só lembramos dos limões maduros a meio caminho de Curitiba, dentro da Kombi sem aquecimento.

 

Limitadas as opções por falta de planejamento e muita preguiça, no sábado seguinte, na companhia do Moisés Lima, do Ricardo Magro e dois estreantes em montanha; Diogo Tortes e Alexandre Magro também conhecido pelo apelido de “Polenta” partimos cedo para um ataque ao Caratuva na Serra do Ibitiraquire.

 

Às oito horas o sol já estava fritando os miolos e antes da Pedra do Grito, o Polenta, já sentia os efeitos do “ar rarefeito” e da falta de condicionamento físico. Até chegar ao Getúlio foram muitas as paradas para os novatos recuperarem o fôlego e lá encontramos uma excursão de turistas conduzidos por dois guias pagos. Taipabuçu, Caratuva e Itapiroca são destinos turísticos consagrados e provavelmente também o Pico Paraná, mas isto já não surpreende ninguém.

 

Há muito a aventura mudou de endereço. Agora, nós os “broncossauros”, somos vistos com curiosidade. Nossas roupas surradas de tanto varar mato, mochilas de cordura remendadas com fio dental e pesadas botas de montanhismo causam certo espanto no contraste com os tênis de marca, calças fusô e bastões de trekking usados nestas avenidas em que se transformaram as velhas trilhas que não muito tempo atrás abrimos no peito. Seguiram em perfeita ordem para o Taipabuçu pela trilha direta que em 2001, junto com o Paulo Marinho, José Pioli e o Elcio Douglas num esforço de dois fins de semana seguidos, rasgamos na mata ainda intocada.

 

Decidi então colocar um tempero novo neste velho e manjado cardápio, levando os novatos a pisar terreno virgem e sentir na pele as sensações inerentes à exploração. Nem bem demos os primeiros passos e encontramos o Hilton com o cunhado que desciam do cume após bivacar debaixo da Lua Azul. Após breve conversa tomamos o rumo do Pico Paraná e na bica abastecemos as pets com água gelada da montanha. No Bosque das Fadas, pouco adiante da bifurcação para o Itapiroca, deixei a trilha principal para procurar na mata os rastros do Elcio e do Jurandir que por ali passaram recentemente descendo do Caratuva.

 

Na mata fechada respirei aliviado com o agradável frescor da exclusividade, musgo farto nas árvores intocadas e botas atoladas até o tornozelo num oceano de galhos caídos e folhas mortas povoadas de insetos, aranhas, escorpiões e centopéias. Com energia renovada subíamos rápido para o desespero do Alexandre e do Diogo que a cada passo botavam os bofes pra fora. Passamos rente a grandes pedras que abrigam uma profunda toca e adentramos num belíssimo bosque com chão limpo e árvores afastadas em cuja extremidade sudeste brota um incipiente veio d’água. Seguindo a terra recentemente revirada por uma vara de porcos selvagens reencontrei, a nordeste, a continuidade dos rastros que nos conduziram aos campos de caratuvas do cume, pouco abaixo das antenas, e os novatos fizeram seu primeiro cume na segunda montanha mais alta do sul com uma pequena dose de emoção.

 

Não existe mais solidão nestas freguesias, via-se gente no PP, no Itapiroca e até nos Camelos. No Caratuva encontramos o Sr. Ciro no alto dos seus 60 anos interessado em seguir para o Taipabuçu e mudamos de puleiro para lhe mostrar o caminho, mas por fim o convencemos a alterar seus planos devido ao adiantado da hora. Descemos pela rota normal e o Alexandre fez jus ao apelido chegando no Getúlio com as pernas moles como polenta fresca. O faro apurado denunciava um odor de requeijão cremoso e aceleramos o passo trilha abaixo. Na Pedra do Grito encontramos dois casais que vimos, à distância, explorando o Itapiroca e na entrada do mato deu a louca no Moisés.

 

Caminhava poucos passos a minha frente quando deu um pulo inexplicável, alguns tapas na careca e desceu o barranco em desabalada carreira, aos trancos, rachando a testa num galho caído que obstruía o caminho. Sumiu na poeira perseguido por fantasmas e só mais abaixo descobri o motivo quando já surgiam calombos no seu rosto e coceira em todo o corpo.

Uma única e pequena abelha quase botou o homem a nocaute. Surgiu do nada em vôo rasante e cravou seu ferrão no único cidadão, dentre as dezenas que passaram por ali, com alergia a picada de abelha. È preciso mais do que a infalível Lei de Murph para explicar tanto azar que só não foi pior porque imediatamente extraiu o ferrão e desapareceu no mato antes da reação da colméia que me deixou passar sem ser incomodado.

 

Compartilhar

Sobre o autor

Julio Fiori - Equipe AM

Julio Cesar Fiori é Arquiteto e Urbanista formado pela PUC-PR em 1982 e pratica montanhismo desde 1980. Autor do livro "Caminhos Coloniais da Serra do Mar", é grande conhecedor das histórias e das montanhas do Paraná.

Comments are closed.