Será a Vez dos Independentes?

0

Democracia é o melhor sistema até hoje inventado para tomar decisões, mas também tem suas deficiências e é preciso tomar muito cuidado para não transformá-la na ditadura da maioria, sem jamais esquecer que via de regra as maiorias são burras. E o que falar então do livre mercado, este irmão que juntos formam um par quase perfeito. Quase porque não fecham a porta aos maus intencionados, que se aproveitam do próprio sistema para burlá-lo e assim conseguir vantagens indevidas.


Mas muito pior seria se o sistema os deixasse de fora porque assim não seria nem democrático e muito menos livre. Democracia só funciona quando o comando da maioria respeita a opinião da minoria.

Podemos pensar assim também no montanhismo que, na acertada expressão do Bito Mayer, “sempre foi uma atividade meio anárquica”. É visível que as federações e os clubes não representam o pensamento da comunidade dos que se dedicam aos esportes de montanha, nem ao menos representam a maioria simples, metade mais um. Tanto é assim que o número de praticantes “independentes” ou não federados cresce de forma geométrica enquanto grande parte dos clubes lutam para não encolher.

Clubes sempre serão panelinhas, amigos que se reúnem por afinidade, e quem não se encaixa no esquema pode cair fora, fazer o seu ou aproveitar sua prazerosa solidão. Mas a federação é algo maior, impessoal, que deve representar o conjunto do pensamento e defender seus ideais.

A proposta da Fepam em acolher também os independentes é boa e oportuna porque permite a participação da grande maioria dos praticantes dos ditos esportes de montanha nas demandas que lhes dizem respeito. E é fundamental lhes dar direito ao voto na devida proporcionalidade. Um clube com 100 sócios ativos deve ter 10 vezes mais peso do que outro com apenas 10, isto é apenas justiça.

Sempre estivemos organizados numa democracia soviética que decide por unanimidade, a portas fechadas, representa apenas os mesmos de sempre, nunca é obedecida e está economicamente falida.

Neste sentido é bem-vinda a iniciativa da Fepam, mas ainda não é suficiente. Para os “independentes” se federarem é necessário muito mais do que isto. É fundamental entrar em sintonia com as idéias e os desejos desta massa crescente que, verdade seja dita, congrega também os expoentes máximos do esporte, tanto em experiência como em ousadia. Entrar em sintonia com o livre mercado e aceitar que além dos exorcistas de praxe ninguém mais acredita que os “independentes” são seres malévolos, egoístas e depredadores da natureza.

Para fazer a diferença o esforço deve ser ainda maior porque não é o montanhista que vai mudar para se filiar a federação. As federações é que precisam mudar para interessar ao montanhismo.

Parabéns à administração Natan Fabrício na Fepam por enfim perceber que há muito tempo o “rei anda nu” e ousar propor novas soluções. Tímidas ainda, mas depois de séculos de cegueira finalmente apontando na direção correta.

Compartilhar

Sobre o autor

Julio Fiori - Equipe AM

Julio Cesar Fiori é Arquiteto e Urbanista formado pela PUC-PR em 1982 e pratica montanhismo desde 1980. Autor do livro "Caminhos Coloniais da Serra do Mar", é grande conhecedor das histórias e das montanhas do Paraná.

Comments are closed.