5 Motivos para fazer o Cruce de Los Andes

0

O Trekking Cruce de Los Andes é um dos mais belos da América do Sul. Ele esta localizado entre as cidades de Mendoza na Argentina e Santiago no Chile. Apesar de ter um nome parecido com a corrida de montanha “El Cruce”, não se trata da mesma atividade. O Cruce de Los Andes é voltado para quem busca conhecer a região de forma mais profunda.

Uma das várias paisagens dessa travessia.

Existem inúmeros motivos para você embarcar nessa aventura. Listamos alguns:

1 – As belíssimas paisagens dos Andes Centrais

Cruzando rios pelo caminho.

As belas paisagens das montanhas dos Andes despertam a curiosidade e admiração de trekkers do mundo inteiro. Porém, os Andes Centrais localizado entre a Argentina, Chile e Bolívia ainda é uma região pouco frequentada.

Essa é uma região com muitos rios, vales, campos e passos montanhosos que encantam os visitantes. Além disso, a natureza ainda se encontra preservada e é possível observar uma extensa fauna com a presença de guanacos, raposas, lebres, o famoso Condor (que é a maior ave voadora do mundo) outras aves e lagartos.

2 – Aprender sobre a cultura gaúcha

Arrieiro e suas fieis companheiras.

“Em qualquer chão – sempre gaúcho” esse é o lema conhecido no mundo todo dos seguidores da tradição e dos costumes da população campeira do sul do Brasil, Argentina e Uruguai.

Durante esse trekking é comum usar o apoio dos arrieiros que ainda conservam as tradições gaúchas na região.  Eles utilizam mulas para transportar cargas entre as montanhas a séculos e fizeram disso um meio de sobrevivência.

3 – Conhecer a história do Chile e da América do Sul

Homenagem aos soldados.

As terras por onde passa o Cruce de Los Andes já foram palco de muitas histórias. Uma das maiores manobras bélicas da história humana ocorreu nessa região em 1817, quando um exército liderado pelo General San Martin cruzou as montanhas e libertou o Chile dos Espanhóis. Para tanto, 5.000 homens passaram por seis passos montanhosos diferentes e surpreenderam os inimigos.

4 – Ganhar mais autoconhecimento

Pausa para contemplar a paisagem.

Além de praticar uma excelente atividade física para o corpo, andar também faz bem para a mente. Durante a caminhada, além de contemplar a belíssima paisagem o trekker também vive uma experiência de auto conhecimento, identificando alguns limites e superando outros.

Além disso, o sentimento de superação e dever cumprido no final da caminhada também gera satisfação pessoal,  bom humor e estimula a criatividade.

 5 – Um trekking desafiador e ao mesmo tempo prazeroso

Segundo dia de caminhada.

Esse trekking é feito em quatro dias intercalados por noites em acampamentos. Apesar de ser longo, pode ser muito prazeroso e não é tão difícil como muitos imaginam. A caminhada é de nível médio e não se atinge grandes altitudes, entretanto para chegar ao Chile por esse caminho é preciso vencer dois passos montanhosos, o Portillo Argentino com 4320m e o Paso Piuquenes com 4110m.  Para isso, é importante ter um bom preparo físico e condicionamento cardiovascular. Ainda assim, não é necessário passa pelo processo de aclimatação.

 

Compartilhar

Sobre o autor

Maruza Silvério

Maruza Silvério é jornalista formada na PUCPR de Curitiba. Apaixonada pela natureza, principalmente pela fauna e pelas montanhas. Montanhista e escaladora desde 2013, fez do morro do Anhangava seu principal local de constantes treinos e contato intenso com a natureza. Acumula experiências como o curso básico de escalada e curso de auto resgate e técnicas verticais, além de estar em constante aperfeiçoamento. Gosta principalmente de escaladas tradicionais e grandes paredes. Mantém o montanhismo e a escalada como processo terapêutico para a vida e sonha em continuar escalando pelo Brasil e mundo a fora até ficar velhinha.

Deixe seu comentário