Brasileiros nas montanhas de 6 mil metros nos Andes

0

A marca dos 6 mil metros é um grande desafio para montanhistas que encaram as montanhas andinas, pois na grande cadeia sul-americana este é o ponto máximo que atingem os cumes.

Na Cordilheira dos Andes há entre 104 a 110 montanhas acima de 6 mil metros (dependendo do conceito do que é uma montanha). Até hoje nenhum montanhista no mundo escalou todas estas montanhas, mas quem está mais próximo de completar isso é Maximo Kausch, montanhista argentino que reside em São Paulo e quem pela primeira vez sugeriu este “grand Slam” do montanhismo.

Kausch, que tem 86 cumes andinos com mais de 6 mil metros compara com outros projetos semelhantes, como escalar todos os 14 picos com mais de 8 mil metros do Himalaia, todos os 86 picos de 4 mil metros nos Alpes e afirma que a versão sul-americana é a mais difícil e completa de todos, com montanhas isoladas e raramente escaladas, montanhas técnicas de grande dificuldade e montanhas de longas aproximações e complexidade logística.

Até pouco tempo, poucos brasileiros tinham em seus curriculum esportivos conquistas em montanhas de 6 mil no Andes. No entanto, influenciados principalmente pelos feitos de Kausch, este quadro mudou e há diversos montanhistas acumulando montanhas de 6 mil metros dos Andes em suas experiencias e levando diversos montanhistas de nosso país a explorar montanhas mais isoladas, sem trilhas e distantes dos holofotes dos picos mais famosos e frequentados.

O AltaMontanha, junto com o historiador do montanhismo Rodrigo Granzotto Peron, vem há anos monitorando expedições brasileiras e agora que há um volume de pessoas que passaram dos 10 cumes em montanhas andinas com mais de 6 mil metros tem o prazer de apresenta-los e comentar seus feitos montanhísticos.

Confira abaixo (atualizado em 15-03-2020)

Pedro Abrão: 10 cumes

Pedro Abrão

Paranaense de Maringá, no interior do Estado, mas que atualmente reside em São Paulo Capital, Pedro acumulou um curriculum de cumes bastante rápido com ascensões principalmente na região do Paso San Francisco entre Chile e Argentina. Lá ele escalou o Ojos del Salado (segunda mais alta dos Andes com 6983m), Pissis (terceiro mais alto, com 6795m), Três Cruces Sur (quinto, com 6748m), Vicuñas (6072m) e San Francisco (6018m). Além disso ele também escalou o Bonete Chico (quarto mais alto com 6759m), Llullaillaco (6739m) que também ficam na Puna do Atacama, Aconcágua (6962m) e Mercedário (6720m), localizados nos Andes Centrais da Argentina e o Tocclaraju de 6000 metros que fica na Cordilheira Blanca do Peru.

Ediceu Pereira: 10 cumes

Ediceu Pereira.

Paulista da capital, Ediceu é um exemplo de determinação, começando com bastante dificuldade e se superando para estar nesta lista. Seu feito foi ter escalado as seguintes montanhas: Aconcágua (6962m, pela rota 360) , Mercedário (6720m), Ojos del Salado (6893m), San Francisco(6018m), Huayna Potosi (6018m), Fraile (6061m), Barrancas Blancas (6119m), Vicuñas (6067m), Peñas Blancas (6033), Ermitaño (6146m).

Tiago Korb: 10 cumes

Tiago Korb.

Gaúcho de Santa Maria, no centro do Rio Grande do Sul, Tiago já era conhecido por suas travessias casca grossa nas serras brasileiras quando começou a se destacar também em alta montanha. Liderando pequenas expedições comerciais, atingiu seu grande curriculum de montanha que inclui as seguintes montanhas: : Aconcágua (6962m, pela rota 360) , Ojos del Salado (6893m), Pissis (6795m), Mercedário (6720m), San Francisco (6018m), Fraile (6061m), Barrancas Blancas (6119m), Vicuñas (6067m), Peñas Blancas (6033), Ermitaño (6146m).

Luciana Moro: 11 cumes

Luciana Moro

Gaúcha que vive em Santa Maria (RS), é esposa de Tiago Korb e sua principal parceira de escalada, por isso possuindo quase o mesmo curriculum, mas com uma cereja no bolo a mais, o Llullaillaco. Atualmente Luciana estuda Educação Física na UFSM e se dedica com afinco no montanhismo de altitude, sendo uma das montanhistas mais fortes do Brasil. Seu curriculum de alta montanha: Aconcágua (6962m, pela rota 360) , Ojos del Salado (6893m), Pissis (6795m), Mercedário (6720m), San Francisco (6018m), Fraile (6061m), Barrancas Blancas (6119m), Vicunas (6067m), Peñas Blancas (6033), Ermitaño (6146m) e Llullaillaco (6739m).

Gabriel Tarso: 11 cumes

Gabriel Tarso

Fotógrafo, cinegrafista e montanhista, Gabriel Tarso é natural do vale do Paraíba em São Paulo e muitas de suas montanhas ele fez a trabalho, registrando em imagens a beleza dos Andes para documentários em canais como o Off e Red Bull TV, dentre outros. Dentre seu curriculum, há montanhas raramente escaladas, como os Vulcões Vallecitos de Catamarca (nada a ver com o Cerro Vallecitos do Cordón del Plata em Mendoza – 6168m), também o Cerro Colorados (6080m), Nevado del Toro (6168m) e o pouquíssimo ascendido Cerro Plomo, de 6070 metros localizado no Chile. Além disso, ele escalou o Aconcágua (6962m), Marmolejo (6108m), Mesa (6200m), Antofalla (6390m), Majadita (6280m), Mesa (6200m), San Francisco (6018m) e Vicuñas (6067m).

Aleomar Galassi: 11 cumes

Aleomar Gallassi.

Paulista de Taquaritinga, Aleomar apresenta um vasto curriculum que vai além dos 6 mil andinos, com montanhas clássicas nos Andes, como o Alpamayo no Peru, Tronador na Patagônia e o Licancabur na Bolívia. Seus feitos no seismilismo andino são:

Aconcágua (6962m), Ojos del Salado (6893m), Huayna Potosi (6088m), Aucanquilcha (6176m), San Pedro (6145m), San Francisco (6018m), Barrancas Blancas (6119m), Vicuñas (6067m), Peñas Blancas (6033), Ermitaño (6146m) e Vulcão Copiapó (6052m).

Ricardo Rui da Costa: 12 cumes

Ricardo Rui da Costa.

O mais novo membro desta lista chegou aos 12 cumes após em uma única expedição escalar 6 montanhas de 6 mil metros na atual temporada da Puna do Atacama no Chile. Ele é paulistano, mas vive em Atibaia, onde é conhecido principalmente no meio do voo livre, onde pratica com bastante afinco o Hike and Fly, ou seja, subir uma montanha e decolar do cume. Seus cumes de 6 mil nos Andes são: Parinacota (6348m), Huayna Potosi (6088m), Acotango (6052m), Sajama (6542m), Ojos del Salado (6893m), San Francisco (6088m), Barrancas Blancas (6119m), Ermitaño (6146m), Muerto (6518m), Fraile (6061m), Vicuñas (6067m), Peña Blanca (6033).

Eduardo Tonetti: 14 cumes

Edu Tonetti no cume do Plata – Fonte: Arquivo pessoal

Guia de montanha formado pela EPGAMT e que atualmente reside em Mendoza, Argentina, Edu Tonetti é o brasileiro que mais escalou o Aconcagua (12 vezes! Na maioria guiando para a empresa GenteDeMontanha). Fora isso ele também escalou os demais 6 mil andinos:  Tupungato (6565m), Três Cruces Sul (6746m), Três Cruces Central (6629m), Ojos del Salado (6893m – 3x), San Francisco (6018m – 3x), Vicuñas (6067m), Barrancas Blancas (6119m), Mercedário (6720m), Huayna Potosi (6088m), Illimani (6430m), Acotango (6052m), Parinacota (6348m), Mesa (6200m).

Maria Tereza Ulbrich: 18 cumes

Maria Tereza Ulbrich no Nepal.

A mulher brasileira com mais cumes de 6 mil metros nos Andes (18), também mais um cume de 6 mil no Himalaia, o Chulu Far East (6058m – Nepal), além de outros clássicos do montanhismo, como o Mont Blanc (4810, na França), Elbrus (5642, na Rússia) e várias outras montanhas andinas com altitude inferior a 6 mil.

Natural de Curitiba (PR), ela é sócia da empresa GenteDeMontanha e conquistou seu vasto curriculum no seismilismo em apenas 5 anos! Suas montanhas são: Quewar (6140m), Socompa 6051m), Huayna Potosi (6088m – 2x), Vallecitos (6168m), Colorados (6080m), Antofalla (6440m), Illimani (6430m), Aconcágua (6962m), San Francisco (6018m), Ojos del Salado (6893m), Parinacota (6348m), Acotango (6052m), Barrancas Blancas (6119m), Ermitaño (6146m), Muerto (6518m), Fraile (6061m), Vicuñas (6067m), Peña Blanca (6033).

Marcelo Delvaux: 22 cumes

Marcelo Delvaux no cume do Illimani – Bolívia

Montanhista mineiro é um dos poucos guias de montanha profissionais com título EPGAMT, a famosa escola de guia de Mendoza. Delvaux já escalou diversas montanhas mundo afora e possui o terceiro maior curriculum dentre os seismilistas brasileiros com as seguintes montanhas: Pomerape (6282m), Acotango (6052), Huayna Potosí (6088m), Parinacota (6348m), Aconcagua (6962 – 10x), Coropuna Leste (6290m), Coropuna Norte (6405m), Coropuna Oeste (6390m), Nevado San Francisco (6018m), Palpana (6023m), Nevado de Cachi (6380m), Nevado de Palermo (6150m), Quemado (6100m), Chachani (6057), Hualca Hualca (6025m), Marmolejo (6108m), Toclaraju (6000m), Illimani (6430m), Chimborazo (6267m), Mercedario (6720m), Sajama (6542m), Ojos del Salado (6893m).

Waldemar Niclevicz: 30 cumes

Waldemar Niclevicz na base do Les Droites. Foto Pedro Hauck

O montanhista paranaense Waldemar Niclevicz é sem dúvida uma referência em alta montanha. Escalando desde 1989, ele já fez metade das 14 montanhas acima de 8 mil metros, está próximo a finalizar a ascensão de todos os 4 mil dos Alpes, foi o primeiro brasileiro a fazer os 7 cumes e já escalou muitas montanhas icônicas mundo afora, mas no seismilismo andino ele ocupa a segunda colocação com as seguintes montanhas escaladas: Aconcágua (6962m), Illimani (6430m), Huayna Potosi (6088m), Ojos de Salado (6893m), Muerto (6518m), Huascarán Sul (6746m), Chimborazo (6267m), Sajama (6542m), Chopicalqui (6345m), Vulcão Copiapó (6052m), Illampu (6368m), Ampato (6288m), Coropuna (6405m), Solimana (6060m), Rasac (6000m), Chaupi Orco (6044m), Chachacomani (6074m), Uturunco (6008m), Parinacota (6348m), Guallatiri (6063m), Llullallaico (6739m), Cachi (6380m), Antofalla (6440m), Incahuasi (6621m), Pissis (6795m), Mercedario (6720m), Tórtolas (6160m), Três Cruces Sul (6748m), Ausangate (6372m), Salcantay (6271m).

Pedro Hauck: 51 cumes

Pedro Hauck – Foto de Gabriel Tarso.

Longe dos holofotes, o montanhista paulista natural de Itatiba, mas que reside a mais de uma década em Curitiba PR construiu uma carreira sólida no montanhismo ao longo de mais de 20 anos de dedicação ao esporte. Seu currículo não se baseia apenas em montanhas de 6 mil nos Andes, pois ele já escalou dezenas de montanhas de 5 ou 4 mil nesta cordilheira, além de outros clássicos mundo afora, que inclui também um 8 mil, o Manaslu no Nepal, além de outras 3 montanhas de 6 mil no Himalaia (Chulu Far East, Lobuche East e Mera Peak no Nepal).

Ele já escalou com quase todos montanhistas que aparecem nesta lista e foi pioneiro em diversas montanhas. Atualmente ele sócio da empresa de expedições GenteDeMontanha e também da Loja AltaMontanha, especialidade em artigos de montanhismo. É o único seismilista desta lista com título de instrutor de escalada em rocha da AGUIPERJ, a única associação de guias de montanha do Brasil. Seu currículo inclui as seguintes montanhas: Aconcágua (6962m), Huayna Potosi (6088m – 6x), Pomerape (6282m), Tupungato (6565m), San Francisco (6018 -2x), Parinacota (6345m), Ramada (6387m), Sajama (6542 – 2x), Illimani (6430 – 2x), Ancohuma (6427m), Illampu (6368m), Cachi (6380m), Antofalla (6440 – 2x), Incahuasi (6621m), Pissis (6795m), Mercedário (6720m), Tórtolas (6160m), Ojos de Salado (6893m – 4x), Três Cruces Sul (6748m), Llullallaico (6739m), Quewar (6140m), Socompa (6051m), Chaupi Orco (6044m), Chachacomani (6074m), Chearoco (6104m), Acotango (6052 – 2x), Uturunco (6008m), Capurata (6008m), Guallatiri (6063m), Vicuñas (6067 – 2X), Três Cruces Central (6629m), Famatina (6097m), Patos (6239m), Sierra Nevada (6127m), Copiapó (6052m), Baboso (6070m), Bonete Chico (6759m), Veladero (6436m), Tocllaraju (6000m), Chopicalqui (6345m), Vallecitos (6168m), Colorados (6080m), Condor (6414m), Majadita (6280m), Toro (6168m), Marmolejo (6108m), Barrancas Blancas (6119m), Ermitaño (6133m), Muerto (6508m), Fraile (6067m), Peña Blanca(6033m).

Brasileiros com quase 10 montanhas de 6 mil nos Andes:

É claro que há brasileiros que estão quase na lista. Dentre eles a gaúcha Paula Kapp, que tem 9 montanhas nos Andes e um 6 mil no Pamir, também o experiente Paulo César Azevedo, o Máfia de Curitiba (PR), que nos seus 50 anos de montanhismo já fez 9 picos. Com 8 aparecem Vinicius Vieira (DF), Carlos Moura (SP) Fernando Abadalla (SP) e Bruno Versiani (DF).

O que achou? Desta lista e dos feitos destes montanhistas? Comente!

Compartilhar

Sobre o autor

Redação - AM

Texto publicado pela própria redação do Portal.

Deixe seu comentário