O Espinhaço: A Natureza da Chapada Diamantina

0

Chego agora a uma das principais atrações do Espinhaço, a Chapada Diamantina. Comento a seguir os aspectos ligados à sua exuberante natureza.

No seu longo passado geológico, a Chapada já foi deserto, lago e mar, gerando tipos contrastantes de rochas, como quartzitos, calcários e arenitos. Da mesma forma, acontecem as mais diferentes paisagens naturais, desde tabuleiros e grutas a desfiladeiros e pântanos. E sua história humana foi também contraditória, com surtos de progresso e decadência, com riqueza esbanjada, vingança privada e violência política.

Formação de Diferentes Localidades na Chapada Diamantina (Fonte: Geodiversidade)

A formação geológica da Chapada é muito complexa, resultando de soerguimentos tectônicos, a partir da distante era pré-cambriana. Seus terrenos foram recorrentemente invadidos pelo mar e sujeitos a processos de deposição de sedimentos. Surgiram desde rochas graníticas a calcárias e sedimentares, o que permitiu a formação de tabuleiros, cânions, vales e cavernas. Que eu saiba, natureza tão variada não é encontrada em nenhuma outra UC brasileira.

Vale do Pati do Alto do Morro do Castelo, PN Chapada Diamantina, Pati, BA

O fim do ciclo de mineração causou o empobrecimento da região e fortes antagonismos entre os chamados serranos e baianos. Os coronéis do sertão moveram sangrentas disputas até quase meados do século XX. A partir de então, a economia entrou em decadência e a população em declínio, situação que o recente surto de ecoturismo não foi capaz de reverter. Embora não pareça, esta é uma região pobre, onde poucas vilas cresceram e as oportunidades de progresso são escassas.

Os Três Irmãos, Chapada Diamantina, Lençóis, BA

Vou começar este relato pelo centro da Bahia, onde estão as regiões de maior interesse. Mas, depois que falar de seu principal Parque, você conhecerá a dimensão maior do que chamo a Grande Chapada.

O centro da Bahia é composto por três sistemas montanhosos. A oeste existe o Planalto do Espinhaço, adjacente ao vale do Rio São Francisco, que corre nas terras do seu lado interior. No centro estão as chamadas escarpas ocidentais, que compõem a Serra das Almas e abrigam as vilas onde aconteceu a mineração de ouro. E, na direita, correm as escarpas orientais da Serra do Sincorá, que limitam o PN da Chapada Diamantina e onde se situam as antigas vilas do garimpo de diamante, que tinham no seu apogeu população superior à de São Paulo.

Mapa do Relevo da Bahia

A altitude das escarpas é capaz de reter a umidade vinda do oceano, contribuindo para uma cobertura verdejante e um clima semi-úmido, que contrastam com a aridez da caatinga que a circunda. Assim, antes e depois, como já se disse, tudo volta a ser sertão. Mas, nela, a vegetação mostra-se variada, desde as matas frondosas das escarpas orientais, aos campos e cerrados dos pediplanos centrais até as caatingas das serras ocidentais.

Pico das Almas, Chapada Diamantina, Rio de Contas, BA

Na realidade, no centro baiano existem duas Chapadas vizinhas – a de Rio de Contas e a de Lençóis. O degrau a partir do qual ela se eleva fica na borda sudoeste, onde está a bela vila colonial de Rio de Contas. Lá o processo do garimpo surgiu com o ouro nos inícios do século XVIII e durou por um século. As paisagens desta região são mais íngremes, ásperas e rochosas, recobertas por caatingas e contendo as mais altas montanhas do Nordeste. Foi lá meu primeiro contato com a Chapada, quando subi nos seus principais cumes – Almas, Itobira e Barbado, todos eles assunto de colunas.

Pico do Itobira, Chapada Diamantina, BA

Já no norte, onde está o PN, o degrau situa-se a oeste, ao longo das escarpas da Serra do Sincorá. Nela a mineração de diamantes iniciou-se mais tarde, em meados do século XIX, na vila de Mucugê. O processo inicial foi curto, com menos de meio século – mas foi depois retomado até o Século XX com a mineração do carbonado. Desenvolveu-se do sul para o norte, passando por Andaraí e Igatu, terminando em Lençóis – que é a vila mais ao norte. Estas duas Chapadas não convivem entre si e só recentemente o acesso entre elas tem melhorado.

Pico Casacudo, PN Chapada Diamantina, Guiné, BA

A cada uma das Chapadas corresponde uma bacia fluvial, a do Rio de Contas ao sul e do Paraguaçu ao norte. O Paraguaçu recebe todos os cursos que atravessam o Parque, estes correndo sempre no rumo leste, devido ao desnível criado pela Serra do Sincorá. Ele é assoreado, caudaloso e piscoso.

Cachoeira Três Barras, PN Chapada Diamantina, Mucugê, BA

Já o Rio de Contas, que nasce no mágico platô da Tromba, ainda apresenta águas de boa qualidade, sendo a maior bacia exclusivamente baiana. Ambas são grandes bacias isoladas, desaguando docemente na costa atlântica da Bahia, o Rio de Contas em Itacaré e o Paraguaçu no Recôncavo, as duas após 600 km de percurso.

Rio Tiburtino, PN Chapada Diamantina, Mucugê, BA

A variedade da geologia é replicada na flora, com biomas diversificados, como mata atlântica, cerrado, caatinga e campo. A região é conhecida pelas florações das orquídeas, bromélias, cactos, sempre-vivas e canelas de ema.

Floração de Camdombás na Chapada Diamantina (Fonte: Divulgação)

Acho que os campos rupestres, lá chamados de gerais, compõem as paisagens mais interessantes, devido à possibilidade de grandes perspectivas e de montanhas cênicas. Eles recobrem cerca de 2/3 do Parque.

Travessia Guiné – Mucugê, PN Chapada Diamantina, BA

A fauna tem sido muito afetada pela ocupação humana. As espécies de maior porte dos tempos do garimpo, como antas, tamanduás, veados campeiros e tatus canastra, já desapareceram. Outras continuam ameaçadas pela caça – onças, veados, bugios e jacarés.

Entrada do Pati, PN Chapada Diamantina, BA

Gostaria de fazer agora, quase ao final desta série de colunas, uma observação sobre os nossos rios. Ao longo desta travessia pelo Espinhaço, encontrei mais de duas dezenas de rios – desde o Doce e o Jequitinhonha até o Pandeiros, o Peruaçu e o São Francisco.

Sem voz e sem defesa, estão quase todos morrendo, pelo desmatamento de suas margens e captação descontrolada de suas águas, pela poluição urbana ou industrial e pelo assoreamento causado pela mineração, agricultura ou urbanização.

Não há vida sem água e, junto com os rios, morrem nossa história, nossa natureza e nosso futuro. Confesso que antigamente não prestava muita atenção às bacias fluviais. Mas hoje percebo como são vitais: não é só a flora tão visual ou a fauna tão atraente que precisam ser defendidas, é também a água tão escassa.

A seguir, uma das joias da coroa: o Parque Nacional da Chapada Diamantina.

Compartilhar

Sobre o autor

Alberto Ortenblad - Colunista

Nasci no Rio, vivo em São Paulo, mas meu lugar é em Minas. Fui casado algumas vezes e quase nunca fiquei solteiro. Meus três filhos vieram do primeiro casamento. Estudei engenharia e depois administração, e percebi que nenhuma delas seria o meu destino. Mas esta segunda carreira trouxe boa recompensa, então não a abandonei. Até que um dia, resultado do acaso e da curiosidade, encontrei na natureza a minha vocação. E, nela, de início principalmente as montanhas. Hoje, elas são acompanhadas por um grande interesse pelos ambientes naturais. Então, acho que me transformei naquela figura antiga e genérica do naturalista.

Deixe seu comentário