Por que usar bermudas de compressão nos seus treinos?

0

Verão e calor pedem roupas mais leves para os treinos de corrida de rua, trail running, bike, entre outros. E nada como deixar as pernas de fora para ter mais conforto durante a sua prática esportiva. Todavia, você sabia que existem vários tipos de bermudas e que a escolha da peça certa pode melhorar a sua performace durante o treino?

Os produtos de alta compressão trazem melhor ergonomia para as corridas.

Ai que entram as bermudas de compressão. Elas já são unanimidade entre os ciclistas e também caíram nas graças dos praticantes de corrida, trail e até mesmo na academia e na yoga.

A marca brasileira Authen por exemplo, oferece inúmeros modelos de bermudas que possuem tecnologia de compressão especializados para o público feminino. Elas podem trazer vários benefícios as praticantes de esportes como a diminuição de atrito entre as pernas e melhorar o fluxo sanguíneo.

A Authen possui diversos modelos de bermudas.

As bermudas de compressão Authen também ajudam na recuperação pós-treino, pois agem sobre os principais grupos musculares e funcionam como um apoio aos glúteos, quadríceps e músculos posteriores da coxa. Elas reduzem as oscilações e  o temblor (movimentação dos músculos) que podem causar um  gasto excessivo de energia e favorecem a formação de microlesões na musculatura durante o treino.

Além disso, o designer delas, bem como a estrutura do tecido é pensado para ajudar a melhorar a postura da atleta ou praticante de atividade física, trazendo melhor alinhamento ósseo. Essa característica das roupas de compressão também melhoram a consciência corporal.

Além das bermudas de compressão você também pode usar as meias para melhorar o desempenho e recuperação do seu corpo após a atividade física e os tops e manguitos no tronco e parte superior.

Leia também: Por que usar meias de compressão durante os treinos?

Compartilhar

Sobre o autor

Maruza Silvério

Maruza Silvério é jornalista formada na PUCPR de Curitiba. Apaixonada pela natureza, principalmente pela fauna e pelas montanhas. Montanhista e escaladora desde 2013, fez do morro do Anhangava seu principal local de constantes treinos e contato intenso com a natureza. Acumula experiências como o curso básico de escalada e curso de auto resgate e técnicas verticais, além de estar em constante aperfeiçoamento. Gosta principalmente de escaladas tradicionais e grandes paredes. Mantém o montanhismo e a escalada como processo terapêutico para a vida e sonha em continuar escalando pelo Brasil e mundo a fora até ficar velhinha.

Deixe seu comentário