Noruegueses repetem rota histórica na Trango Tower - AltaMontanha.com - Portal de Montanhismo, Escalada e Aventuras
27 dias no Esporão Norueguês

Noruegueses repetem rota histórica na Trango Tower

Rolf Bae, Bjarte Bø, Sigurd Felde e Stein Ivar Gravdal repetem uma rota histórica do alpinismo, percorrendo os 1.370 metros do Esporão Norueguês na Grande Torre do Trango, depois de 27 dias lutando na parede.

Fonte:

As Torres Trango estão localizadas nas montanhas do Baltoro Muztagh, no Paquistão, uma subdivisão da imponente cordilheira Karakorum. A Grande Torre atinge 6.230 metros de altitude e suas paredes de rocha são quase verticais, o que força os escaladores que a desafiam a juntar a logística de uma escalada em rocha do tipo big wall, com os problemas enfrentados pela altitude. As faces Leste e Sul da Grande Torre já foram descritas como as mais difíceis do mundo, em várias ocasiões.

A rota em questão localiza-se na parede Nordeste, e sua conquista no ano de 1984 foi uma inovação nas escaladas do Himalaia, sendo provavelmente o primeiro big wall completado em alta montanha. Stein Aasheim, Finn Daehli, Hans Christian Doseth, e Dag Kolsrud levaram três semanas para escalar os primeiros dois terços da via.

Com seus mantimentos perto do fim, chegaram à conclusão de que teriam mais chances de sucesso se apenas dois homens continuassem. Uma semana depois, Daehli e Doseth completaram a parede e continuaram subindo, enfrentando seis difíceis lances de gelo, neve e terreno misto para fazer a primeira ascensão ao cume leste da Grande Torre.

Mas esse gigante de rocha não se entregaria tão fácil, e o descenso dos noruegueses se converteu em tragédia, quando ambos caíram desde a metade da via até a base da parede, sendo soterrados por uma avalanche.

Desde essa primeira escalada, diversas equipes tentaram repetiram o Esporão Norueguês. Uma equipe japonesa estabeleceu uma variante da via em 1990, mas apesar de terem completado a parte de escalada em rocha, não alcançaram o cume.

Um ano mais tarde foi a vez de uma equipe espanhola repetir a variante japonesa. Mikel Berasaluze, Adolfo Madinabeitia e Antonio Miranda chegaram ao pico Nordeste da Grande Torre depois de mais de 700 horas na parede. Em 1992, Xaver Bongard e John Middendorf estabeleceram o via The Grand Voyage (VII 5.10 A4+ WI3), que seguia uma linha mais independente no pilar Nordeste, compartia apenas três cordadas e meia com a rota Norueguesa.

A dupla suíço-americana prosseguiu com a escalada mista acima do big wall, realizando a segunda ascensão ao cume Leste.

A equipe norueguesa que retornou neste ano à parede encontrou-a mais imponente do que era há 24 anos, devido ao retrocesso do glaciar que encobria sua base. Por causa disso, atualmente é necessário escalar 300 metros de rocha para alcançar a saída original da via de 1984. Liderada por Rolf Bae, que foi o mais jovem a cruzar o continente antártico, em 2000, a equipe ainda enfrentou mais três dias para retornar à base.
O próximo desafio de Bae será o retorno ao K2 com sua esposa Cecilie Skog. O casal já fez uma tentativa nesta montanha em 2005, e agora irão para outra tentativa em apenas algumas semanas.

Cecille já escalou o Everest, enquanto Rolf tem feito um grande número de escaladas como, Everst, Shisha Pangma, e muito mais. O casal também esteve em ambos os Pólos, em 2005 atingindo os extremos Norte e Sul do planeta com apenas 119 dias de intervalo.

Publicidade:


Publicidade

Publicidade