Noruegueses repetem rota histórica na Trango Tower

0

Rolf Bae, Bjarte Bø, Sigurd Felde e Stein Ivar Gravdal repetem uma rota histórica do alpinismo, percorrendo os 1.370 metros do Esporão Norueguês na Grande Torre do Trango, depois de 27 dias lutando na parede.

As Torres Trango estão localizadas nas montanhas do Baltoro Muztagh, no Paquistão, uma subdivisão da imponente cordilheira Karakorum. A Grande Torre atinge 6.230 metros de altitude e suas paredes de rocha são quase verticais, o que força os escaladores que a desafiam a juntar a logística de uma escalada em rocha do tipo big wall, com os problemas enfrentados pela altitude. As faces Leste e Sul da Grande Torre já foram descritas como as mais difíceis do mundo, em várias ocasiões.

A rota em questão localiza-se na parede Nordeste, e sua conquista no ano de 1984 foi uma inovação nas escaladas do Himalaia, sendo provavelmente o primeiro big wall completado em alta montanha. Stein Aasheim, Finn Daehli, Hans Christian Doseth, e Dag Kolsrud levaram três semanas para escalar os primeiros dois terços da via.

Com seus mantimentos perto do fim, chegaram à conclusão de que teriam mais chances de sucesso se apenas dois homens continuassem. Uma semana depois, Daehli e Doseth completaram a parede e continuaram subindo, enfrentando seis difíceis lances de gelo, neve e terreno misto para fazer a primeira ascensão ao cume leste da Grande Torre.

Mas esse gigante de rocha não se entregaria tão fácil, e o descenso dos noruegueses se converteu em tragédia, quando ambos caíram desde a metade da via até a base da parede, sendo soterrados por uma avalanche.

Desde essa primeira escalada, diversas equipes tentaram repetiram o Esporão Norueguês. Uma equipe japonesa estabeleceu uma variante da via em 1990, mas apesar de terem completado a parte de escalada em rocha, não alcançaram o cume.

Um ano mais tarde foi a vez de uma equipe espanhola repetir a variante japonesa. Mikel Berasaluze, Adolfo Madinabeitia e Antonio Miranda chegaram ao pico Nordeste da Grande Torre depois de mais de 700 horas na parede. Em 1992, Xaver Bongard e John Middendorf estabeleceram o via The Grand Voyage (VII 5.10 A4+ WI3), que seguia uma linha mais independente no pilar Nordeste, compartia apenas três cordadas e meia com a rota Norueguesa.

A dupla suíço-americana prosseguiu com a escalada mista acima do big wall, realizando a segunda ascensão ao cume Leste.

A equipe norueguesa que retornou neste ano à parede encontrou-a mais imponente do que era há 24 anos, devido ao retrocesso do glaciar que encobria sua base. Por causa disso, atualmente é necessário escalar 300 metros de rocha para alcançar a saída original da via de 1984. Liderada por Rolf Bae, que foi o mais jovem a cruzar o continente antártico, em 2000, a equipe ainda enfrentou mais três dias para retornar à base.
O próximo desafio de Bae será o retorno ao K2 com sua esposa Cecilie Skog. O casal já fez uma tentativa nesta montanha em 2005, e agora irão para outra tentativa em apenas algumas semanas.

Cecille já escalou o Everest, enquanto Rolf tem feito um grande número de escaladas como, Everst, Shisha Pangma, e muito mais. O casal também esteve em ambos os Pólos, em 2005 atingindo os extremos Norte e Sul do planeta com apenas 119 dias de intervalo.

Compartilhar

Sobre o autor

Redação - AM

Texto publicado pela própria redação do Portal.

Deixe seu comentário