Encontrado corpo de montanhista perdido na cordilheira de Ansilta

0

Miguel “Mono” Castro estava desaparecido desde o dia 26 de Dezembro do ano passado. Depois de uma tentativa oficial de resgatá-lo, foram seus amigos e familiares quem continuaram as buscas, até que no último sábado seu corpo foi achado sem vida.

Na tarde do dia 31 de janeiro, a família de Miguel Castro, um engenheiro de Mendoza que havia desaparecido na Cordilheira de Ansilta, localizada na Província de San Juan, nos Andes Centrais, confirmou o pior de seus temores ao encontrar sem vida o corpo do jovem que havia desaparecido no dia 26 de Dezembro do ano passado.

Miguel, que era conhecido como o “Mono” (macaco), tinha bastante experiência em montanha e no decidiu logo depois do natal percorrer junto com seu amigo Simón esta cadeia de montanhas localizada ao Norte do Mercedário, um local pouco frequentado e que abriga montanhas em estado selvagem que mal nome têm. Eles estiveram pelos picos 1 e 2 e tentaram escalar o Pico 3.

Foi neste momento que Castro se separou de seu amigo, que o esperou por algum tempo, que ao perceber que não regressava, decidiu dar parte às autoridades.

De imediato se montou uma operação com ajuda da Gendarmeria (Polícia Militar da Argentina), Clube Andino Mercedário e o Clube Andino de Barreal, além de voluntário que vivem na região e que conhecem bem os caminhos. Depois de 10 dias de buscas, elas foram finalizadas, devido uma piora das condições climáticas.

Poucos dias depois, Fernando Castro, irmão de Miguel, reiniciou a busca, apoiado por montanhistas experientes dos clubes de montanha de San Juan e de ajuda da população que doou alimentos para os resgastistas permanecerem na montanha.

Após muitos esforços, os resgatistas acharam o corpo em uma greta perto do cume do Pico 4, a 4200 metros de altitude. Pelo jeito que estava Miguel, concluiu-se que ele faleceu devido à pancada da queda.
 

Compartilhar

Sobre o autor

Redação - AM

Texto publicado pela própria redação do Portal.

Deixe seu comentário