Novo ParNa no sertão do nordeste abriga muita rocha escalável

0

Numa das paisagens mais deslumbrantes do Piauí, o Parque Nacional da Serra das Confusões se tornará, a partir de março, a maior unidade de conservação da caatinga, ao incorporar aos seus atuais 503 mil hectares parte da área da Serra Vermelha.


Situado ao sul do estado em um bioma de transição com o cerrado, o parque preserva, ainda, sítios históricos de valor inestimável, além de ser um importante destino turístico do Nordeste.

Um acordo entre o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e o Governo do Piauí, que vinha sendo costurado desde 2008, foi fechado pouco antes do carnaval durante reunião no Ministério do Meio Ambiente, em Brasília, da qual participaram o ministro Carlos Minc, o governador do Piauí, Wellington Dias, e o presidente do ICMBio, Rômulo Mello.

Com isso, as áreas de maior altitude da Serra Vermelha passam a integrar a área protegida. A agropecuária poderá explorar as áreas mais baixas. O decreto ampliando o parque deverá ser assinado em março pelo presidente Lula.

O entendimento prevê, ainda, a incorporação da reserva legal de 20% das propriedades, como é previsto pelo Código Florestal para o bioma caatinga, pelo parque. A medida é destinada a atender aos produtores que atuam no entorno daquela Unidade de Conservação e assegurar uma área maior para a produção.

O memorial descritivo da área está em fase de conclusão pelo ICMBio. Documento que servirá para definir, além do território a ser incorporado ao parque, a Área de Preservação Permanente (APP) para os pequenos, médios e grandes produtores da região. O Instituto já identificou a área de concentração prioritária para a produção na região de Novo Horizontina. A estimativa inicial é ampliar o Parque Serra das Confusões em mais de cerca de 300 mil hectares, número que depende da conclusão do memorial.

Escalada no novo parque

O que poucas pessoas sabem, é que na região da Serra das Confusões existem muitos paredões rochosos de diversas formações, como arenito e conglomerado escaláveis. Entretanto, mesmo com o enorme potencial, as paredes ainda continuam virgens, precisando de um estudo para ver a viabilidade da escalada.

A razão da necessidade de tais estudos é que na região existem milhares de sitios arqueológicos e sem querem podemos estar destruindo o patrimônio histórico, o qual por si já faz merecer uma visita. O que não dizer da paisagem? Vejam as fotos!

Fonte ICMbio, alterado por Pedro Hauck

Compartilhar

Sobre o autor

Redação - AM

Texto publicado pela própria redação do Portal.

Deixe seu comentário