Osiris “Arame” Curial, pioneiro do montanhismo paranaense, falece em Curitiba

0

O grande montanhista e marumbinista, Osiris Curial, faleceu ontem (29/01) em Curitiba, aos 92 anos de idade. Arame, como era conhecido, foi um dos pioneiros da escalada paranaense com a conquista de montanhas e vias de escaladas.

Serra do Ibitiraquire com Agudo do Cotia visto desde o Marumbi – Foto: Gustavo Procat

Entre os principais legados que Arame deixa ao montanhismo brasileiro, está a conquista do Agudo do Cotia, uma montanha em Campina Grande do Sul, região metropolitana de Curitiba. Localizada no coração da mata atlântica, até hoje essa é uma montanha de difícil acesso. Contudo, Arame  ao lado de seu irmão Orisel Curial (Vespa) e seu amigo Nobor Imaguire (Lanterna) chegaram pela primeira vez em seu cume em 1949.

::Leia mais sobre a conquista do Agudo do Cotia aqui!

No mesmo ano, Arame e seu irmão tiveram a ideia abrir uma via de escalada para alcançar o Parque do Lineu no Marumbi. Com o propósito de concluir a via, eles convidaram os parceiros Gil Abreu de Souza, Henrique Paulo Schmidlin (Vitamina), Raul Carneiro Filho (Kerosene) e Fernando Hesseln (Micuim) para ajudar. Assim, após sete meses, oito investidas muitas marretadas e apenas 13 grampos, eles chegaram ao platô Pouso do Vagalume no Parque do Lineu. Por conseguinte a via foi denominada Passagem Oeste e possui 160 metros.

Além das montanhas e conquistas, Arame também dedicou a sua vida ao trabalho como desenhista. ainda colaborou para o registro botânico de plantas que encontrou durante suas andanças .

O corpo está sendo velado na Capela Municipal do Água Verde, Capela 04. O sepultamento será hoje (30/01) ás 15 horas.

Nossos sentimentos a família e amigos.

Compartilhar

Sobre o autor

Maruza Silvério

Maruza Silvério é jornalista formada na PUCPR de Curitiba. Apaixonada pela natureza, principalmente pela fauna e pelas montanhas. Montanhista e escaladora desde 2013, fez do morro do Anhangava seu principal local de constantes treinos e contato intenso com a natureza. Acumula experiências como o curso básico de escalada e curso de auto resgate e técnicas verticais, além de estar em constante aperfeiçoamento. Gosta principalmente de escaladas tradicionais e grandes paredes. Mantém o montanhismo e a escalada como processo terapêutico para a vida e sonha em continuar escalando pelo Brasil e mundo a fora até ficar velhinha.

Deixe seu comentário