Filme sobre a escalada das Cholitas no Aconcágua deverá estrear em dezembro. Veja o trailer completo!

0

No começo do ano cinco mulheres de origem indígena boliviana, conhecidas como Cholitas, chegaram ao cume do Aconcágua. Essa aventura rendeu um documentário que estreará no Mendi Film Festival entre 6 e 15 de dezembro na Espanha. O filme foi produzido pela Arena Comunicación Audiovisual e possui imagens gravadas durante mais de um ano na Bolívia e Argentina.

Observando as montanhas.

Lidia Huayllas, Dora Magueño, Analía Gonzales, Elena Quispe e Cecilia Llusco com suas roupas coloridas, saias rodadas e chapéu de coco são as protagonistas dessa história. Elas abriram mão dos equipamentos técnicos como jaquetas de pluma e mochilas, mas não deixaram para traz os seus costumes e religiosidade em uma escalada que mostra muita determinação e superação. “Somos Cholitas e tocaremos o céu”, disseram.

As Cholitas tem se destacado por quebrar o estereótipo e as percepções sobre a sua imagem de mulher indígena e ainda assim manter a tradição e divulgar a sua cultura. Na Bolívia é comum vê-las pelas ruas praticando as mais diversas atividades, mas até pouco tempo elas eram vítimas de discriminação em seu pais e só recentemente passaram a praticar esportes como lutas, futebol e alpinismo. “Não podemos fazer isso porque somos mulheres? Também podemos! E as vezes somos mais capazes que os homens”.

Veja o Trailer:

Veja também o teaser feito durante a edição do documentário:

 

 

 

 

Compartilhar

Sobre o autor

Maruza Silvério

Maruza Silvério é jornalista formada na PUCPR de Curitiba. Apaixonada pela natureza, principalmente pela fauna e pelas montanhas. Montanhista e escaladora desde 2013, fez do morro do Anhangava seu principal local de constantes treinos e contato intenso com a natureza. Acumula experiências como o curso básico de escalada e curso de auto resgate e técnicas verticais, além de estar em constante aperfeiçoamento. Gosta principalmente de escaladas tradicionais e grandes paredes. Mantém o montanhismo e a escalada como processo terapêutico para a vida e sonha em continuar escalando pelo Brasil e mundo a fora até ficar velhinha.

Deixe seu comentário