Parques da Serra do Mar no Paraná voltam a fechar por risco de incêndio

3

Com estiagem e o grande risco de incêndios no Paraná, os Parques Estaduais da Serra do Mar voltam a fechar a partir de hoje, 17/09. A decisão foi tomada em conjunto pela Secretaria do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, Instituto de Águas e Terras do Paraná e o Corpo de Bombeiros. Além de prevenir incêndios florestais, a medida também visa combater a disseminação do Coronavírus.

Parque Estadual Pico do Marumbi na Serra do Mar – Foto: Gustavo Procat

De acordo com a portaria, fica vetada a entrada de visitantes nas Unidades de Conservação e quem for pego ilegalmente dentro dos Parques da Serra do Mar responderá pelo Artigo 90 do Decreto 6.514/2018. Este artigo prevê multa no valor de 500 a 10.000 reais para quem “realizar quaisquer atividades ou adotar conduta em desacordo com os objetivos da unidade de conservação, o seu plano de manejo e regulamentos”.

Estão inclusos na lista de unidades fechadas, o Parque Estadual do Marumbi, que abrange o Morro do Canal, o Parque Estadual do Pico Paraná e o Parque Estadual da Serra da Baitaca (Pico do Anhangava, Caminho do Itupava e Pico Pão de Loth).

A decisão foi tomada após a grande procura desses locais pelo público nos últimos finais de semana e a ocorrência de quatro incêndios florestais dentro de áreas protegidas. Não há prazo para reabertura, mas a Sedest informou que a situação das montanhas será avaliada semanalmente.

Compartilhar

Sobre o autor

Maruza Silvério

Maruza Silvério é jornalista formada na PUCPR de Curitiba. Apaixonada pela natureza, principalmente pela fauna e pelas montanhas. Montanhista e escaladora desde 2013, fez do morro do Anhangava seu principal local de constantes treinos e contato intenso com a natureza. Acumula experiências como o curso básico de escalada e curso de auto resgate e técnicas verticais, além de estar em constante aperfeiçoamento. Gosta principalmente de escaladas tradicionais e grandes paredes. Mantém o montanhismo e a escalada como processo terapêutico para a vida e sonha em continuar escalando pelo Brasil e mundo a fora até ficar velhinha.

3 Comentários

  1. Avatar

    Que triste essa decisão.
    Em vez do governo, IAP e demais órgãos competentes se preocuparem conscientizando o pessoal. Não Fazem!
    Iniciaram uma entrada nas montanhas limitando horário com início as 8h da manhã, algumas podendo ser 100 pessoas não rotativas! Isso ajuda ainda mais a acumular as pessoas na frente chegando mais cedo e vai em contra mão da medida de distanciamento do corona vírus.
    Nas entradas das montanhas não vi nenhum órgão com materiais informativos sobre lixo, fogueiras, aparelhos sonoros e outras coisas proibidas. Pelo contrário, vi um aglomero e uma falta de administração em fazer o controle de entrada e saída do pessoal.

    Já que não tem a capacidade de ter uma bom controle nas montanhas, realizam a triste (e burra) decisão de fechar, em vez de melhorar o serviço.

  2. Avatar
    Marcelo de Cerqueira lima em

    Penso que tudo começa a onde vc.adquire seu equipamento para atividades outdoors..Já daí deveria haver um encaminhamento para um curso básico de comportamento em áreas remotas..Mas como é um pais que dificulta para vender a facilidade e a mentalidade do financeiro se antepoém a segurança já nem criam a idéia…Ninguem reclama de passar por uma auto escola e menos ainda se submeter aos exames do DETRAN antes de adquirir uma licença para conduzir um veículo,Andar,permanecer em Montanha,Floresta não é diferente para os leigos,iniciantes,assim sendo eles se transformam em predadores e vítimas do ambiente.Multar na minha opinião é pouco ou quase nada diante do estrago causado ja visto.É fácil falar que uma ou tal associação deveria iniciar algum tipo de campanha haja visto que a grande maioria dos condutores nem sabem a onde estão e menos ainda o que devem e podem fazer,o que dirá dos “diretores”destas que visam mais lucros que qualquer outra coisa.Cabe aos órgãos legais e competentes criar curso de capacitação acessível ao cidadão que pretende adentrar nessa prática de lazer e também profissional.A questão não se baseia em ter carteirinha e sim educar para dar liberdade no uso e permanência.E comparando a CNH,errou,transgrediu,que a lei seja cumprida.

Deixe seu comentário