Pedro Hauck, um dos mais experientes montanhistas do Brasil

0

Quem pesquisa sobre algum assunto montanhismo certamente irá assistir a um vídeo ou ler um artigo de Pedro Hauck. Natural de Itatiba, São Paulo, Pedro é mais do que uma fonte sobre assuntos diversos do montanhismo, ele também é um dos montanhistas mais experientes do Brasil.

Pedro Hauck no cume do Aconcágua em 2002.

Famoso depois de apresentar o quadro “Histórias de Montanhas” no canal do AltaMontanha do Youtube, Pedro é colunista do Portal AltaMontanha desde 2007, mas escala desde o ano de 1998, quando começou aos 16 anos de idade. Em 2000, teve sua primeira experiência em montanha de altitude na Cordilheira dos Andes e de lá para cá, com uma dedicação incansável, atingiu um currículo invejável até mesmo para padrões internacionais. Entretanto, o que deixa seus feitos mais louváveis, está o fato de ele nunca ter morado fora do Brasil e nem nunca ter tido muitos recursos para poder viajar.

Como todos brasileiros, Pedro começou fazendo trilhas e escaladas nas serras e montanhas brasileiras e sempre teve que ir a outros países para poder escalar montanhas de altitude. Sua primeira viagem, relatada no excelente livro “Odisseia Austral”, foi feito de carona e levou 6 meses! Neste tempo, ele escalou diversas montanhas andinas e de lá para cá nunca mais parou. Mesmo que para isso tivesse que improvisar e viajar pelas maneiras mais econômicas possíveis, sempre de ônibus ou carro.

Sua primeira viagem de avião para subir uma montanha aconteceu no ano de 2015, 15 anos depois que pisou em seu primeiro cume de alta montanha. Nesta época ele já despontava como um dos mais experientes montanhistas do país. Foi somente dois anos depois que ele teve sua primeira oportunidade de escalar uma montanha no Himalaia, o Mera Peak. Apesar de nunca ter tido a chance de escalar o Everest, ele pode ver a montanha mais alta do mundo do cume de diversas outras montanhas adjacentes ao ponto mais alto da terra.

Pedro Hauck e sua mochila cargueira

Ao longo de mais de duas décadas se dedicando ao montanhismo, Pedro tem muitos números interessantes. Com somente 20 anos de idade ele escalou Aconcágua, montanha mais alta dos Andes, sem mulas, de forma independente e autônoma. Ele relata este feito em seu primeiro livro o “Arrisque-se“.

Hauck também e responsável pela ascensão de quase uma dezena de montanhas virgens, inclusive a montanha que era a mais alta sem escaladas e sem nome dos Andes até o ano 2015, que recebeu o nome de seu amigo e ex parceiro de escalada Parofes (Paulo Roberto Felipe Schmidt), que morreu em 2014. Fora diversas outras montanhas de grande altitude que eram inéditas para brasileiros, tornando-se assim uma referência no montanhismo de altitude.

Dentre os projetos mais conhecidos, Pedro Hauck foi uma das primeiras pessoas no mundo a escalar todas as montanhas com mais de 6 mil metros da Bolívia, ele é também o brasileiro que mais escalou montanhas acima de 6 mil metros e ganhou duas vezes o Mosquetão de Ouro, a maior premiação do montanhismo brasileiro.

:: Veja mais: Vencedores e curiosidades do Prêmio Mosquetão de Ouro – AltaMontanha

Apesar do grande currículo, Pedro está longe de pendurar a chuteira, ou melhor, as “botas duplas“. De acordo com ele, um montanhista se torna melhor com o tempo e experiência e por isso que os maiores feitos do montanhismo não foram realizados por jovens, mas sim por pessoas com mais de 40 anos de idade. Por este motivo, Pedro acredita que tem pela frente pelo menos mais 20 anos de atividades em montanha bastante intensos e cheios de conquistas.

Quando alguém pergunta a este gigante do montanhismo qual é seu sonho ou seu projeto ele é sempre enfático em responder: “envelhecer escalando!”. Abaixo veremos algumas estatísticas sobre as escaladas de Pedro Hauck. Nestas estatísticas contam os cumes repetidos, mas não contam montanhas de aclimatação mais triviais, como o Chacaltaya, Kolini ou o falso cume do Charquini na Bolívia, assim como ou Kala Patlhar no Nepal.

  • Montanhas escaladas de 8 mil metros: 1
  • Montanhas escaladas de 7 mil metros: 1
  • Montanhas escaladas de 6 mil metros: 87
  • Montanhas escaladas de 5 mil metros: 38
  • Montanhas escaladas de 4 mil metros: 10
  • Montanhas escaladas de 3 mil metros: 6

Confira abaixo o currículo de montanha de Pedro Hauck (atualizado em novembro de 2022 – não inclui montanhas abaixo de 3 mil metros):

  1. Cerro Plata – 5950 metros – Argentina. Cume em fevereiro de 2000
  2. Vulcão Chillán – 3200 metros – Chile. Cume em fevereiro de 2000
  3. Vulcão Lanin – 3770 metros – Chile/Argentina. Cume em março de 2000
  4. Bonete – 5000 mts – Argentina. Cume em fevereiro de 2002
  5. Aconcágua – 6962 metros – Argentina. Cume em março de 2002 (sem mulas de maneira independente e com apenas 20 anos!)
  6. Huayna Potosi – 6088 metros – Bolívia. Cume em julho de 2002 (solo)
  7. Pomerape – 6200 metros – Bolívia. Cume em agosto de 2002 – (primeiro brasileiro).
  8. Vulcão Bravard – 5640 mts- Chile. Cume em janeiro de 2003
  9. Tupungato – 6500 mts- Chile. Cume em janeiro de 2003 (sem mulas)
  10. Cerro Tronador – 3410 mts- Argentina. Cume em fevereiro de 2003
  11. Cerro Vallecitos – 5500 mts – Argentina. Cume em janeiro de 2004
  12. Cerro Plata – 5950 mts- Argentina. Cume em janeiro de 2004
  13. Cerro San Francisco – 5900 mts – Argentina. Cume em fevereiro de 2006 (solo)
  14. Vulcão Parinacota – 6300 mts – Chile/Bolívia. Cume em julho de 2007 (solo)
  15. Cerro Tarija – 5200 mts – Bolívia. Cume em agosto de 2007 (solo)
  16. Pequeño Alpamayo – 5370 mts – Bolívia. Cume em agosto de 2007 (solo)
  17. Huayna Potosi – 6088 mts. Cume em agosto de 2007 (bate volta em 12 horas, segunda vez)
  18. Cerro Ramada – 6400 mts – Argentina. Cume em janeiro de 2008. (primeiro brasileiro).
  19. Cerro Negro – 5600 mts – Argentina. Rota Sul AD. Cume em janeiro de 2008. (primeiro brasileiro).
  20. Illimani – 6450 mts – Bolívia. Rota normal PD. Cume em julho de 2009
  21. Ancohuma – 6430 mts – Bolívia. Rota Sudoeste. AD. Cume em agosto de 2009. (primeiro brasileiro).
  22. Illampu – 6360 mts – Bolívia. Rota normal. D-. Cume em agosto de 2009
  23. Vulcão Tuzgle – 5500 mts – Argentina. Cume em dezembro de 2012 –
  24. Vulcão Antofalla – 6470 mts – Argentina. Cume em dezembro de 2012. (primeiro brasileiro).
  25. Nevado Cachi – 6350 mts – Argentina. Cume em dezembro de 2012. (primeiro brasileiro).
  26. Vulcão Peinado – 5800 mts – Argentina. Cume em janeiro de 2013 – (nova rota, primeiro brasileiro).
  27. Vulcão Incahuasi – 6640 mts – Chile. Cume em janeiro de 2013. (primeiro brasileiro).
  28. Nevado Pissis – 6800 mts – Argentina. Cume em janeiro de 2013
  29. Cerro Mercedário – 6770 mts – Argentina. Cume em janeiro de 2013
  30. Cerro las Tórtolas – 6160 mts – Chile. Cume em janeiro de 2013. (primeiro brasileiro).
  31. Ojos del Salado – 6893 mts – Chile. Cume em janeiro de 2013
  32. Nevado Três Cruces Sul – 6745 mts – Chile. Cume em janeiro de 2013 (primeiro brasileiro).
  33. Mount Baldy – 3000 mts – EUA. Cume em agosto de 2013 – solo
  34. Middle Teton – 3900 mts – EUA. Cume em agosto de 2013
  35. Sairecabur -5995 mts – Chile. Cume em janeiro de 2014 – solo
  36. Licancabur – 5940 mts – Bolívia. Cume em janeiro de 2014
  37. Llullaillaco – 6740 mts – Argentina. Cume em janeiro de 2014 – solo.
  38. Chaupi Orco – 6045 – Bolívia. Cume em agosto de 2014
  39. Chachacomani – 6078 – Bolívia. Cume em agosto de 2014
  40. Chearoco – 6100 – Bolívia. Cume em agosto de 2014 (primeiro brasileiro).
  41. Acotango – 6078 – Bolívia/Chile. Cume em agosto de 2014 – solo
  42. Guallatiri – 6089 – Chile. Cume em setembro de 2014 – solo
  43. Capurata – 6015 – Chile/Bolívia. Cume em setembro de 2014 – solo (primeiro brasileiro).
  44. Uturuncu – 6008 mts – Bolívia. Cume em setembro de 2014
  45. Cerro Macóm – 5525 mts – Argentina. Cume em dezembro de 2014
  46. Nevado Acay – 5770 mts – Argentina. Cume em janeiro de 2015
  47. Nevado Quewar – 6160 mts – Argentina. Cume em janeiro de 2015 (primeiro brasileiro).
  48. Vulcão Socompa – 6058 mts – Argentina/Chile. Cume em janeiro de 2015 (primeiro brasileiro).
  49. Nevado Três Cruces Central – 6638 mts – Chile. Cume em março de 2015 (primeiro brasileiro).
  50. Nevado Vicuñas – 6066 mts – Chile. Cume em março de 2015
  51. Vulcão Ojos del Salado (segunda vez) 6893 mts – Chile. Cume em março de 2015
  52. Huayna Potosi 6088 mts – (terceira vez) julho de 2015.
  53. Illimani 6438 mts – (segunda vez). Agosto de 2015.
  54. Nevado Famatina (cume Gral Belgrano). 6100 mts – Argentina. Setembro de 2015
  55. La Brea – 5225 mts – Argentina. Setembro de 2015 (primeiro brasileiro, terceira ascensão absoluta).
  56. Vulcão Lagunas Bravas – 5350 mts – Chile. Outubro de 2015 (primeiro brasileiro).
  57. Vulcão Chifu – 5040 mts – Chile. Outubro de 2015 (primeiro brasileiro, segunda ascensão absoluta).
  58. Vulcão Lomas Coloradas – 5300 mts – Chile. Outubro de 2015 (primeira ascensão)
  59. Vulcão El Morado – 5290 mts – Chile. Outubro de 2015 (primeira ascensão)
  60. Sierra de Aliste – 5200 mts – Chile. Outubro de 2015
  61. Vulcão Copiapó – 6050 mts – Chile. Outubro de 2015.
  62. Vulcão Patos (Ou Três Quebradas) – 6288 mts – Chile.  Outubro de 2015 (primeiro brasileiro).
  63. Cerro Sierra Nevada de Lagunas Bravas – 6137 mts – Chile. Outubro de 2015 (segunda ascensão absoluta e rota inédita).
  64. Vulcão Paso Cerrado – 5079 mts – Chile. Outubro de (provável primeira ascensão).
  65. Vulcão Parofes – 5845 mts – Argentina. Novembro de 2015 (primeira ascensão)
  66. Cerro Baboso – 6080 mts – Argentina. Janeiro de 2016 (primeiro brasileiro).
  67. Bonete Chico – 6779 mts – Argentina. Janeiro de 2016 (primeiro brasileiro).
  68. Cerro Veladero – 6430 mts – Argentina. Janeiro de 2016 (primeiro brasileiro).
  69. Huayna Potosi – 6088 mts – Bolívia. Julho de 2016 – Quarta vez.
  70. Tocllaraju – 6032 mts – Peru. cume em agosto de 2016
  71. Chopicalqui – 6357 mts – Peru. Cume em agosto de 2016
  72. Huayna Potosi – 6088 mts – Bolívia. Agosto de 2016 – Quinta vez.
  73. Cerro Áustria – 5250 mts – Bolívia. Setembro de 2016 – Segunda vez.
  74. Cerro Tarja – 5200 mts – Bolívia. Segunda vez. Cume em setembro de 2016.
  75. Pequeño Alpamayo – 5370 mts – Bolívia. Segunda vez. Cume em setembro de 2016.
  76. Acotango – 6052 mts – Bolívia. Segunda vez. Cume em setembro de 2016
  77. Sajama – 6548 mts – Bolívia. Cume em setembro de 2016.
  78. Vulcão Tuzgle – 5500 mts – Argentina. Segunda vez. Cume em novembro de 2016.
  79. Vulcão Antofalla – 6440 mts – Argentina. Segunda vez. Cume em novembro de 2016.
  80. Vulcão Vallecitos de Catamarca – 6170 mts – Argentina. Cume em novembro de 2016. (primeiro brasileiro).
  81. Cerro Colorados – 6080 mts – Argentina/Chile. Cume em novembro de 2016. (primeiro brasileiro).
  82. Cerro Condor – 6414 mts – Argentina. Cume em novembro de 2016. (primeiro brasileiro).
  83. Cerro Majadita – 6280 mts – Argentina. Cume em dezembro de 2016. (primeiro brasileiro).
  84. Cerro El Toro – 6168 mts – Argentina/Chile. Cume em dezembro de 2016. (primeiro brasileiro).
  85. Cerro Marmolejo – 6108 mts – Chile/Argentina. Cume em dezembro de 2016.
  86. Mera Peak Central – 6461 mts, Nepal. Cume em abril de 2017.
  87. Manaslu – 8163 mts. Nepal. Cume em 26/09/2018.
  88. Punta Ventana – 3144 mts. Chile Cume em 13/09/2019.
  89. Nevado San Francisco – 6008 mts. Chile, Cume em fevereiro de 2019.
  90. Vulcão Ojos del Salado (terceira vez) 6893 mts – Chile. Cume em fevereiro de 2019.
  91. Cerro Adolfo Calle – 4242 mts. Argentina. Cume em março de 2019.
  92. Cerro Vallecitos – 5435 mts. Argentina. Cume em março de 2019.
  93. Cerro Plata (terceira vez) – 5930 mts. Argentina. Cume em março de 2019.
  94. Lobuche East – 6119 mts. Nepal. Cume em abril de 2019.
  95. Chulu Far East – 6059 mts. Nepal. Cume em abril de 2019. (primeiro brasileiro).
  96. Huayna Potosí – 6088 mts. (sexta vez). Bolívia. Cume em julho de 2019.
  97. Monte Elbrus – 5642 mts. Rússia. Cume em agosto de 2019.
  98. Mont Blanc – 4810 mts. França. Cume em agosto de 2019.
  99. Dome du Gouter – 4304 mts. França. Cume em agosto de 2019.
  100. Gran Paradiso – 4061 mts. Itália. Cume em agosto de 2019.
  101. Kilimanjaro – 5890 mts. Tanzânia. Cume em outubro de 2019.
  102. Nevado San Francisco – 6008 metros (2x). Chile. Fevereiro de 2020
  103. Ojos del Salado – 6893 mts (4x). Chile. Fevereiro de 2020.
  104. Barrancas Blancas – 6119 mts. Chile. Fevereiro de 2020.
  105. Cerro Ermitaño – 6133 mts. Chile. Março de 2020.
  106. Nevado El Muerto – 6518 mts. Chile. Março de 2020.
  107. El Fraile – 6062 mts. Chile, março de 2020.
  108. Vicuñas 6072 mts (2x). Chile. Março de 2020.
  109. Peña Blanca – 6030 mts. Chile. Março de 2020.
  110. Pasochoa – 4200 mts. Equador. Janeiro de 2021.
  111. El Corazón – 4788 mts. Equador. Janeiro de 2021.
  112. Illiniza Norte – 5126 mts. Equador. Janeiro de 2021.
  113. Cotopaxi – 5897 mts. Equador. Janeiro de 2021.
  114. Chimborazo – 6287 mts. Equador. Janeiro de 2021.
  115. Rucu Pichincha – 4693 mts. Equador. Janeiro de 2021.
  116. Acotango – 6052 mts, terceira vez. Bolívia. Agosto de 2021
  117. Parinacota – 6380 mts. segunda vez. Bolívia. Agosto de 2021
  118. Cabeza del Condor – 5648 mts. Agosto de 2021.
  119. Charquini – 5392 mts. Cume principal. Agosto de 2021.
  120. Huayna Potosi – 6088 mts (7x). Agosto de 2021
  121. Himlung Himal – 7136 mts. Nepal. Outubro 2021 (primeiro brasileiro).
  122. Gokyo Ri – 5357mts. Nepal. Novembro 2021
  123. Cerro Adolfo Calle – 4242 mts. (2x). Argentina. Fevereiro de 2022
  124. Cerro Stepanek – 4180 mts. Argentina. Fevereiro de 2022
  125. La Cadenita (5 montanhas com 4 mil metros, Cordón del Plata). Argentina. Fevereiro de 2022.
  126. Nevado San Francisco – 6008 metros (3x). Chile. Março de 2022.
  127. Vicuñas 6072 mts (3x). Chile. Março de 2022.
  128. Palpana – 6040 mts. Chile. Março de 2022.
  129. Aucanquilcha – 6176 mts. Chile. Março de 2022.
  130. San Pedro – 6145 mts. Chile. Março de 2022.
  131. San Pablo – 6110 mts. Chile. Março de 2022. (O San Pedro junto com o San Pablo foi escalado em um único dia, primeira vez que brasileiros escalam 2 montanhas de 6 mil metros em um único dia)
  132. Pili – 6046 mts. Chile. Março de 2022.
  133. Acotango – 6052 mts. quarta vez. Bolívia. Junho de 2022.
  134. Parinacota – 6380 mts. terceira vez. Bolívia. Junho de 2022.
  135. Huayna Potosi – 6088 mts. oitava vez. Bolívia. Rota francesa. Junho de 2022.
  136. Charquini – 5392 mts. Cume principal (2x). Junho de 2022
  137. Huayna Potosi – 6088 mts. nova vez. Bolívia. Normal. Junho 2022.
  138. Charquini – 5392 mts. Cume principal (3x). Julho de 2022
  139. Huayna Potosi – 6088 mts. décima vez. Bolívia. Normal. Julho 2022.
  140. Huascarán Sul – 6768 mts. Peru. Agosto de 2022.
  141. Kilimanjaro – 5895 mts (segunda vez). Tanzânia. Setembro de 2022.
  142. Island Peak – 6189 mts. Nepal. Outubro de 2022.
  143. Island Peak (segunda vez) – 6189 mts. Nepal. Outubro de 2022
  144. Ama Dablam – 6812 mts. Nepal. Novembro de 2022.

VEJA MAIS:

:: Brasileiros nas montanhas de 6 mil metros nos Andes – AltaMontanha

Compartilhar

Sobre o autor

Texto publicado pela própria redação do Portal.

Deixe seu comentário