História do Montanhismo - AltaMontanha.com - Portal de Montanhismo, Escalada e Aventuras
Por que subimos montanha?

História do Montanhismo


Categoria: História

Ninguém sabe ao certo quando foi que o homem começou a escalar as montanhas. Todavia, sabe-se que o fascínio que as montanhas exercem sobre o homem é antigo.

Texto: Pedro Hauck

Na Grécia antiga, o Monte Olimpo era a casa dos deuses. Porém ninguém que se saiba subiu lá para fazer uma visita. Aliás nesta época fazer esforço era coisa de escravo e a elite tinha mais o que fazer...

Para os romanos, atravessar os Alpes era um mal necessário. Nesta época, Aníbal dos cartagineses, cruzou os Pireneus e os Alpes e quase derrotou Roma. Em sua odisséia, um quinto de seu exército faleceu antes de chegar ao destino e travar a batalha. Mesmo assim, Aníbal foi considerado o pai da estratégia.

Na civilização ocidental não há indícios antigos de que o homem tenha escalado montanhas. E foi, por incrível que pareça, foi quando o homem se organizou em sociedade que os indícios de "paleo-escaladas" desaparecem, uma vez que nos próprios Alpes foram encontradas múmias de milhares de anos em grandes altitudes ao ponto que não há muitos registros de escalada na idade antiga ou idade média.


Visão de um scheuchzer, dragão que acreditava-se residir nas montanhas durante a idade média


A visão teocêntrica da idade média talvez tenha sido quem mais afugentou os aventureiros das montanhas. Nesta época, acreditava-se na Europa que nas montanhas viviam monstros e dragões. Nesta mesma época, na América ainda não achada por Colombo, algumas tribos indígenas se reuniram aos pés de um vulcão, onde a terra era fértil. Dentro de um lago ergueram uma cidadela. O nome do lago era Texcoco, e a cidadela Tenochtlán.

No mesmo continente, muito tempo antes dos Aztecas, outras tribos, muito mais ao sul, penetraram um vasto planalto, árido e frio, uma paisagem hostil para a habitação humana. Foi nestas condições adversas, e a mais de 4 mil metros de altitude que se desenvolveu também outra curiosa civilização que prosperou ajudada pela água que descia das montanhas. Lá ergueram uma outra cidade, Tiwanaku, que mais muito tarde seria conquistada e servido de exemplo de engenharia para outra civilização que recebeu o nome de seus reis, os Incas, que foram os primeiros a desenvolver uma cultura de subir montanhas, conquistando centenas de picos andinos, muitos deles com mais de 6 mil metros, uma cultura de montanhismo que ruiu com o império e que somente mais tarde, com arqueologia, foi descoberta.

:: Leia mais: Antes dos primeiros, o montanhismo dos Incas

Voltando à Europa, no ano de 1336, um monge da cidade de Avignon, o centro clerical de sua época, teve a curiosidade de subir uma montanha. O monge no caso era também um poeta, chamado Francisco Petrarca, que acabou ascendendo ao cume do monte Ventoux, um pequeno monte perto de onde vivia. Feliz com sua aventura, Petrarca registrou a primeira impressão escrita do homem sobre o alto de uma montanha: ,

"Primeiro, contando com a surpreendente qualidade do ar e o efeito da grande extensão da paisagem ao meu redor, fiquei imóvel, deslumbrado. Contemplei as nuvens aos nossos pés, e o que havia lido sobre os montes Atos e Olimpos me pareceu menos incrível diante das coisas que agora eu mesmo via de uma montanha menos famosa... Os Alpes, escarpado e coroados de neve, pareciam erguer-se muito próximos, apesar de estarem realmente a grande distância".

Francisco Petrarca.
 

Por seu breve relato de aventura, Petrarca é considerado o pai do montanhismo. Entretanto, a ignorância da idade média fez com que estas histórias demorassem para se dissipar nos cantos mais remotos da Europa.

Chamonix, um pequeno vilarejo no fundo de vale alpino era em meados de século XVIII um desses lugares. Em 1760, o geólogo Horace Benedict Saussure impressionou-se ao ver o Mont Blanc desde Chamonix, e lançou uma aposta para o primeiro que conseguisse vencer suas paredes escarpadas pela primeira vez.

Apesar do prêmio em dinheiro oferecido pelo cientista, que defendia a tese de que no cume do Mont Blanc faziam -1000 graus centígrados, ninguém se aventurou em subir a montanha, até que um camponês, sem querer, perceber que era possível.

Jacques Balmat era um dos vários caçadores de minerais e de "Chamois" (cabrinha montanhesa dos Alpes). Em um dia distraído em 1785, ele se perdeu e teve que pernoitar na montanha. Teve medo de ser devorado por dragões à noite. Da montanha, vinham ruídos horríveis das geleiras e do vento, mas os monstros não vieram.

Quando voltou de sua aventura, contou para o médico Gabriel Paccard e os dois fizeram a primeira ascensão à montanha mais alta da Europa ocidental. Saussure não só pagou a recompensa como também foi o próximo a subir. Com Balmat de guia, o geólogo repetiu a façanha e descobriu que no cume não fazia tanto frio como pensava.

Escalada do Mont Blanc no século XVIII.

Nos fins do século XVIII e começo do XIX, apenas uma pequena parcela da população podia se ausentar dos afazeres para praticar montanhismo. Aliás o próprio montanhismo não era como é hoje. A maioria das pessoas que subiam montanhas nesta época não se identificavam como montanhistas, eram na maioria naturalistas que escalavam para fazer pesquisas científicas, como  Sausurre fez. Uma das pessoas que mais se destacou neste montanhismo/naturalismo foi o príncipe alemão Alexander Von Humboldt.

Humboldt passou anos na América do Sul realizando pesquisas e foi um dos primeiros europeus que escalou uma montanha andina com mais de 6 mil metros, o Chimborazo no Equador escalado pelo naturalista alemão. Nesta época, este estrato-vulcão era considerada a montanha mais alta do mundo, mas não é, sendo apenas o ponto mais distante do centro da terra. Por conta de suas aventuras e conhecimento, Humboldt se tornou uma figura ilustre na Europa, só não sendo mais famoso que Napoleão Bonaparte em sua época.

Nos anos que se passaram sobretudo por conta dos ingleses, que passado cem anos da revolução industrial, já tinham uma classe média com tempo e dinheiro, as montanhas européias foram invadidas por montanhistas. Com ferramentas agrícolas improvisadas, iniciou-se o alpinismo moderno, com caráter esportivo e recreacional, se fastando daquele montanhismo naturalista/ científico. A década de 1850 foi uma das mais fervorosas do montanhismo, quando a atividade se tornou um esporte e através do desafio de chegar nos cumes, quase todas as montanhas européias foram conquistadas. No entanto, as mais escarpadas ainda representavam uma grande dificuldade e diante do perigo eminente, poucos se arriscavam (leia como os ingleses inventaram o montanhismo moderno).

O monte Matterhorn (ou Cervino), na divisa da Suíça com a Itália era quem representava este estereótipo de montanha impossível. Vindo de um país sem grandes montanhas, e ainda mais de uma ilha! Edward Whymper chegou à Suíça com o intuito de desenhar a paisagem alpina. O londrino Whymper era gravurista e havia sido pago para ilustrar um livro. O inglês maravilhou-se ao ver o Matterhorn desde Zermmat e não tirou mais a montanha da cabeça.

Passou cinco anos se preparando para escalar a montanha e neste tempo ganhou muito reconhecimento por seus feitos, porém, o que ele queria ainda não havia sido alcançado. Whymper fez seu último assalto ao Matterhorn em 1865, junto com companheiros ingleses e guias locais. Enfrentou todas as dificuldades de uma escalada vertical, avalanches de pedras, rochas podres, escalada em gelo. Em um dos trechos mais difíceis teve que ascender sobre uma pequena canaleta que tinha inclinação negativa, e que mais tarde recebeu o nome de Chaminé Whymper em homenagem ao seu precursor.

Sua expedição foi um sucesso, e todos os sete integrantes chegaram com ele no cume. Porém, na descida, a corda de Whymper arrebentou, e quatro companheiros despencaram montanha abaixo. Edward salvou-se milagrosamente. Neste ano, seu nome foi o mais comentado em toda a Europa.
 

A tragédia no Matterhorn.

O alpinismo se organizou. Na segunda metade no século XIX, começaram a formar-se escolas de guias de montanha e começaram também as rivalidades de escolas e países. Depois que quase todas as montanhas de importância na Europa tinham sido escaladas, começou uma corrida para quem escalasse a montanha mais distante e a mais alta. Patrocinados pelos governos imperiais, os montanhistas começaram a explorar os Andes, o Himalaia, a África,...

Nos próprios Andes haviam outras montanhas mais altas. O Aconcagua, (Akonk Awac, sentinela de pedra para os indígenas) já era conhecido. Charles Darwin esteve em seus pés e admirou-se ao ver conchinhas do mar à mais de 3 mil metros de altitude. Nitidamente, esta montanha é mais alta que suas vizinhas, o que logo chamou a atenção de aventureiros. O primeiro que se tem registro foi um alemão, chamado Paul Güssefeldt.

Em uma expedição modesta, Güssefeldt não pode ir muito além, mas abriu espaço à outras expedições, descobrindo o caminho pelo vale de Horcones, e possibilitando o acesso para a expedição de Edward Fitz Gerald, que liderou a primeira expedição com sucesso no gigante dos Andes. Fitz Gerald não chegou ao cume, mas o guia suíço Mathias Zurbbrigen sim, tornando-se o primeiro europeu à alcançar o topo.

Zubbrigen atingiu o cume depois de duas tentativas frustadas e muito sofrimento. Fitz Gerald também tentou o cume, mas foi vencido pela altitude, porém, os dois guias que o acompanhavam, Nicolas Lanti e Stuart Vines continuaram e se tornaram o segundo e o terceiro homem (europeu) a chegar ao ponto mais alto da América.
 

Expedição de Conway nos Andes.

Um outro notável pioneiro nos Andes foi sem dúvida o Inglês pesquisador de arte e alpinista Willian Martin Conway. Conway que já havia escalado com Zurbbringen no Paquistão, quando eles quebraram o recorde de altitude da época, vencendo o Pioneer Peak no Karakoram de 6980 metros. Conway foi o primeiro a escalar duas imponentes montanhas bolivianas, o Illimani, a guardiã de La Paz, o Ancohuma e Illampu que na época se chamava pico Sorata, que até hoje é considerada a montanha de seis mil metros mais difícil da Bolívia.

Conway também escalou o Aconcágua um ano após Zurbbrigen. Nestas épocas, talvez inspirado pelas conquistas européias, José Franklin da Silva, um cidadão brasileiro da então Vila de Aiuruoca, teve a audácia de explorar o "mato" de sua região e ascender o Pico de Agulhas Negras no maciço de Itatiaia, atingindo a maior altitude já alcançada em nosso país. O relato foi então entregue á vossa majestade Dom Pedro II. Também para a satisfação do imperador, uma equipe do exército subiu um monte elevado na divisa de Minas e Espírito Santo e lá hasteou uma bandeira do império. O monte recebeu então o nome de Pico da Bandeira e até descobrirem o Pico da Neblina no planalto das Guianas na divisa do Brasil com a Venezuela, esta montanha foi considerada como a mais alta do país.

Foi no Rio de Janeiro porém, que começou a surgir o montanhismo no Brasil. Favorecido por sua Geografia, logo as montanhas fluminenses foram sendo escaladas. Porém, no início, mais para a satisfação do imperador, que até mesmo mandou que construíssem no Corcovado um mirante, para que ele pudesse ter uma melhor visão da Baia da Guanabara. Foi somente em 1879, que pela primeira vez em nosso país, que uma equipe de montanhistas se reuniu com a única finalidade de realizar uma escalada de montanha sem outras mais motivações, à não ser apreciar seus panoramas e desfrutar das belezas e da satisfação de chegar ao ponto mais alto.

Esta equipe de montanhistas era liderada pelo então Joaquim Olimpo de Miranda que levou seus companheiros ao ponto mais alto da serra do Marumbi, um pico de mais de 1500 metros de altitude. Em homenagem ao seu pioneiro, este pico foi batizado de Pico Olimpo. Nos anos que se seguiram, a tendência de escalar montanhas cada vez mais altas e distantes se manteve, na África, na América do Norte e na Ásia varias montanhas de altura e imponência foram vencidas pela primeira vez.

A primeira Guerra mundial interrompeu um pouco a realização de grandes expedições, mas ao término do conflito, patrocinados pela potência da época que visava superar sua influência e importância no mundo, a Inglaterra, lançou-se o desafio de chegar ao cume da maior montanha do mundo. A Inglaterra havia perdido a corrida para chegar ao pólo norte. Sua tentativa de chegar ao polo sul havia sido um completo desastre e o império havia sido humilhado pelo Norueguês Amundsen quem venceu esta corrida exploratória. O Everest foi visto para o império britânico como uma chance de reerguer o patriotismo e elevar a moral britânica.
 

Expedição de George Mallory na base do Everest.

Para tal missão, o império britânico contava com o brilhante alpinista George Leigh Mallory. Para a Inglaterra escalar o Everest era uma missão, uma ordem. Para Mallory era uma obsessão, um desejo. Certa vez, Mallory comentou à um jornalista americano com toda sua elegância e formalidade inglesa, sua vontade de escalar a montanha mais alta do mundo:
 

Mallory e Irvine durante a escalada ao Everest.

"Se alguém me perguntasse qual a utilidade de se escalar, ou de se tentar escalar o pico mais alto do mundo, eu seria obrigado a responder: Nenhuma! Não há nenhum objetivo científico a ser alcançado, é simplesmente a satisfação do impulso de realização, o desejo indomável de ver o que jaz além, que sempre pulsa no coração do homem. Com ambos os pólos alcançados, o poderoso cume da cordilheira do Himalaia permanece como a maior conquista disponível ao explorador."

Não foi este, portanto, o discurso mais conhecido sobre o tema dito pelo autor. Certo dia, depois de centenas de vezes que lhe perguntaram por que ele queria escalar o Everest, ele deixou sua habitual cordialidade e fineza e disse zangado: _"Por que ele está lá!"

Mallory participou de 3 expedições à montanha. Na primeira praticamente apenas descobriu o caminho de acesso, de Darjeeling na Índia à face norte da montanha no Tibet. Na Segunda tentativa, um ano depois em 1922, ele conseguiu bater o recorde de altitude na época, alcançando mais de 8100 metros! Porém, uma tragédia fechou a expedição, quando uma avalanche engoliu sete sherpas. Dois anos depois, Mallory organizou sua última expedição. Precisando da vitória, Mallory e o jovem Andrew Irvine saíram do acampamento 6 no amanhecer do dia 8 de junho de 1924 para nunca mais voltarem. Mesmo tendo morrido em sua tentativa, até hoje não se sabem ao certo o que aconteceu com os alpinistas ingleses.

Noel Odell, um dos membros de sua expedição lembra nitidamente que viu dois pontos se moverem logo abaixo de uma escarpa rochosa, e desaparecerem envolvidos numa nuvem. Teve Odell alguma alucinação pela alta altitude? Será que eram Mallory e Irvine os pontos enxergados por Odell? Estas dúvidas persistem na história do montanhismo e ainda ninguém sabe dizer se Mallory chegou ou não no cume do Everest em 1924.

Antes da Segunda guerra mundial, poucas expedições regressaram ao Himalaia. Em uma delas, ingleses encontraram a piqueta de Mallory à 8400 metros de altitude, mas eles também não tiveram a sorte de chegar ao cobiçado cume do Everest. Em outra expedição notável, uma equipe formada de alpinistas do eixo nazista tentou escalar o Nanga Parbat de 8125 metros no Paquistão. Porém, antes de conseguirem escalar, foram presos por oficiais britânicos e mandados para um campo de concentração no norte da Índia.

Nesta expedição estava presente o lendário alpinista austríaco Heinrich Harrer, que fugiu da Índia e se refugiou no Tibet. A história de Harrer virou recentemente um filme de Hollywood: "Sete anos no Tibet".

Terminando a Segunda Guerra Mundial. A França que havia saído destruída do conflito, e estava com uma crise de identidade internacional, resolve patrocinar uma expedição para chegar ao cume de uma montanha de oito mil metros. A expedição teve uma grande aceitação política e logo os melhores alpinistas do país se dirigiram ao oeste do Nepal para escalar uma montanha, que não sabiam se ia ser o Annapurna de 8091 metros ou o Dhaulagiri de 8167 metros, situados um de frente a outro.

Os critérios para eleição entre as duas montanhas de oito mil metros a serem conquistadas, dependia da acessibilidade à elas e a facilidade e segurança da rota escolhida. Acabaram elegendo o Annapurna, depois de quase dois meses de exploração do terreno.

Maurice Herzog no Annapurna.

Acabaram chegando ao cume Maurice Herzog e Louis Lachenal no dia 3 de Junho de 1950. Pela primeira vez, o homem toca o cume de uma montanha de oito mil metros. Porém, a que preço! Herzog e Lachenal chegam ao cume no dia em que uma monção alcançou o Himalaia. Eles ficam presos em uma greta, sofrem com uma avalanche e tem de bivaquear à mais de 7 mil metros.

Quando descem, começam a sofrer para conseguir voltar à civilização, são 5 semanas de trilhas e um sofrimento indescritível. Herzog perde todos seus dedos gangrenados por congelamentos, e tem que amputá-los à frio, em condições precárias.
 

Tenzing Norgay e Edmund Hillay no acampamento 2, na face sul do Everest, em 1953.

Em 1953, num clima pós guerra onde as principais ex-potências tentavam recuperar a sua hegemonia, os britânicos decidem tentar o Everest novamente. Desta vez, contratam sherpas experientes e levaram os seus melhores escaladores.

Depois de uma longa fase de aclimatação em estágios, a expedição de John Hunt finalmente alcança o colo Sul do Everest. Compondo um segundo time de tentativa ao cume, o neozelandês Edmund Hillary e o sirdar sherpa Tenzing Norgay se destacam e conseguem montar um acampamento no colo Sul, sendo assim o mais alto acampamento já estabelecido, a 8500 metros de altitude. Desconfiados e com medo, Norgay e Hillary partem na manhã de 29 de maio de 1953, para a investida ao cume.

Após vencerem um complexo trecho em rocha e gelo, que mais tarde passaria a ser chamado escalão Hillary, inesperadamente chegam ao cume. Foi assim que finalmente, às 11:30 do dia 29 de maio de 1953, o ser-humano alcança o ponto mais alto da terra. No mesmo dia, Elizabeth II é coroada rainha da Inglaterra. Em agradecimento, a rainha mandou nomear o apicultor neozelandês ao titulo de "Sir".
 

Tenzing Norgay no cume do Everest.

A conquista de Hillary e Tenzing apagou uma conquista ainda maior. No dia 3 de julho do mesmo ano, um jovem austríaco deixa sua barraca no acampamento 5, à 6900 metros de altitude e sozinho, contrariando as ordens do chefe da equipe, sai em direção do ponto mais alto do Nanga Parbat, que é considerado por muitos o oito mil mais difícil dos 14 que existem. Este austríaco era Herman Buhl.

Buhl alcançou o cume da montanha ao anoitecer do mesmo dia. Teve que bivaquear à mais de oito mil metros e regressou com apenas alguns congelamentos. Buhl foi um dos escaladores mais influentes de sua época e sua escalada é para o mundo da montanha tão importante quanto à conquista da montanha mais alta do mundo. Porém, a demasiada promoção e especulação sobre o Everest ocultam estas grandes conquistas. Herman Buhl.

No ano que se seguiu, outras montanhas de oito mil foram sendo escaladas. Franceses (alguns companheiros de Herzog de 50) conquistam o Makalu, Italianos o K2. Pouco a pouco as maiores montanhas do mundo foram sendo vencidas. Outros grandes feitos montanhísticos, portanto ocorreram do outro lado do mundo.

Em 1953, Lionel Terray, também ex-companheiro de Herzog, vence as paredes geladas e perigosas do Cerro Fitz Roy, no fim do mundo da Patagônia, até então tida como impossíveis de serem escaladas. As dificuldades climáticas e ambientais da montanha eram os maiores obstáculos a serem transpostos, além é claro dos quase 1500 metros verticais de rocha e gelo a serem escaladas.

Na investida, o escalador Jacques Poincenot foi vítima da natureza selvagem da Patagônia, morreu arrastado pela correnteza de um rio. O sofrimento de Terray fez que sua escalada fosse retratada em sua obra prima literária, que recebeu o nome de "Os conquistadores do Inútil".

Na volta para a França, Terray ainda passou por Mendoza e arquitetou a primeira escalada pela face sul do Aconcagua. Escalada realizada um ano depois por outra equipe francesa liderada pelo guia Lucién Berardini, que levou sete dias para chegar ao cume, realizando uma das maiores proezas andinas. O acampamento-base por este lado da montanha recebeu o nome de Plaza Francia em homenagem à esta brava equipe de franceses.
 

A expedição do compressor de Maestri.

Cinco anos depois, também na Argentina, o Italiano Cesare Maestri e o Austríaco Toni Egger chegam ao cume do Cerro Torre, uma imponente torre de granito ao lado do Fitz Roy. Na descida, a dupla é atingida por uma avalanche e Egger é arrastado parede abaixo. Maestri é resgatado quase sem vida. Poucos acreditaram na conquista da dupla, e Maestri passa a ser ridicularizado por montanhistas de seu próprio país!

:: Leia mais: Rolando Garibotti tenta elucidar a escalada de Maestri em 1959 no Cerro Torre


Maestri volta à montanha em 1970 motivado a provar que é capaz de escalar a imponente montanha. Desta vez ele leva um gigante e pesado compressor para furar a parede e fixar os pontos de segurança. Incontestavelmente, Maestri se torna o primeiro a chegar ao cume do Cerro Torre, mas sua escalada não foi considera ética para toda a comunidade alpina e é refutada por quase todos.

Três anos depois Casimiro Ferrari volta ao Cerro Torre e chega ao cume usando métodos tradicionais. O que fez que muitos o considerasse o primeiro, de fato, a escalar a montanha. Depois das escaladas da Face sul do Aconcágua e dos incidentes na Patagônia, uma coisa fica clara para o montanhismo. Não importa se você chegou no cume, o que importa é por onde você chegou, e como! A Ética e as habilidades pessoais são o que começam a valer mais que os cumes que você alcançou.

:: Leia mais: A história do Cerro Torre

O Esporte se especializa. No fim da década de 70 surge uma geração de equipamentos que permite aos escaladores superar problemas técnicos que antes eram impossíveis. Há montanhistas que passam a desenvolver melhor a parte de escalada em rocha, e outros em alta montanha, com gelo e altitude. Surgem grandes nomes e proezas individuais, principalmente no Himalaia, que tinha como pressuposto o trabalho em equipe para conseguir conquistar os grandes 8 mil metros.
 

Reinhold Messner.

O sul tirolês Reinhold Messner é quem melhor se identifica com esta fase, em que o homem conseguiu superar desafios antes tidos como impossíveis e até hoje foi poucas vezes repetidos. Em 1978, Messner põe o seu projeto em prática e decide escalar o Everest sem oxigênio suplementar. Após 4 dias desde a base, Messner alcança o cume do Everest, provando assim à humanidade, que o ser humano sobrevive sim, a quase 9000 metros de altitude.

Além do Everest , foi o primeiro a escalar um oito mil em estilo alpino (Gashebrum I), o primeiro a fazer uma travessia entre dois oito mil (Gashebrum I e II), o primeiro a fazer uma ascensão completamente solo à um oito mil, (Nanga Parbat), e o primeiro a escalar todos os oito mil, e sem oxigênio. Ele ainda fez mais, escalou os 7 cumes mais altos de cada continente, atravessou à pé a Groelândia e a Antártica!... Messner se tornou o "Pelé" da montanha. Polêmico, é adorado por uns e odiado por outros.

Em um de seus mais impressionantes feitos, Messner escalou a Face Rupal do Nanga Parbat, uma das escaladas mais desumanas já realizadas. Na descida, seu irmão faleceu e Messner foi culpado por muitos pelo acidente. Em outro incidente curioso, Messner disse que viu e seguiu um "Pé grande". Chegou a realizar uma expedição à procura do "Yeti", como os orientais chamam a lendária criatura.

Aos poucos, nem precisa dizer, quase todas as montanhas do mundo foram destrinchadas. São poucas as paredes mais altas e belas que permaneceram intocadas. O inevitável aconteceu. Depois que tudo já havia sido conquistado, os patrocínios foram acabando. Para conseguir viver da escalada, alguns montanhistas entraram em um ciclo vicioso e mortal, em que para se destacar tinham que encarar desafios cada vez mais impossíveis, até que a montanha vencesse.

Quase todos os montanhistas, para continuar tendo suas vidas nas montanhas, começaram a viver como guias ou agentes de escalada. A montanha começou a ser explorada turisticamente. O esforço para continuar vivendo do esporte e os equipamentos de tecnologia de ponta, passaram a permitir qualquer um a chegar ao cume de até mesmo, o Everest. Para escalá-lo hoje em dia, qualquer pessoa pode juntar-se às expedições comerciais e pagar a ascensão como se fosse um pacote turístico.

Obviamente este aumento no fluxo de montanhistas trouxe sérios impactos à natureza. Nas montanhas mais famosas, onde há mais gente, os acampamentos são quase insalubres. As trilhas ficam saturadas de gente e de animais de tração que carregam os equipamentos dos montanhistas, o que só ajuda a assorear os rios e comprometer toda sua enorme hinterlândia. Isso sem falar no aumento dos acidentes, muitas vezes causados por montanhistas sem experiência, como foi o famoso caso da tragédia do Everest de 1996, e como ocorrem todos os anos em montanhas muito mais fáceis como no Mont Blanc e Aconcágua.

As conquistas dos alpinistas da nova geração acabam se tornando as de escalar as montanhas pelas rotas e jeitos mais diferentes possíveis. Alguns vão porque se tornariam os primeiros em seus países a conquistar os cumes, já outros vão para quebrar records de velocidade. Pessoas se tornam os únicos a descer o Everest de parapente ou até mesmo, snowboard. Inúmeras fatalidades acontecem e o número de mortes em montanha explode. Alarmados com as conseqüências, cientistas alertam sobre os perigos da destruição destes frágeis ambientes, que de nenhuma maneira foi feito para a habitação humana, mas que desperta tanto interesse sobre nós.

Por causa disto, a ONU declarou o ano de 2002 como o ano internacional da montanha. Chegamos à atualidade, e o montanhismo aparece dividido em várias vertentes e estilos. Enfim, para poder avaliar montanhistas e criar competições, criou-se a escalada esportiva, e depois a escalada indoor, imitando as paredes artificiais de uma escarpa rochosa. Em nosso mundo urbano industrial, as grandes marcas de equipamentos são os grandes patrocinadores do esporte.

Um número cada vez maior de praticantes vem crescendo ano após ano. Nunca as montanhas estiveram tão cheias, é verdade, mas também nunca houve um número tão grande de montanhistas que nunca foram à uma montanha. Mais um paradoxo do mundo moderno.

Se destacar neste meio mais que explorado é difícil. Aos escaladores do século XXI basta concientizar-se de suas ações na montanha. Aprendendo com o passado, devemos evitar os erros e buscar soluções para que o montanhismo tenha um futuro, e que de preferência, neste futuro o montanhista encontre uma montanha como no passado os pioneiros encontraram, um território livre, selvagem e pronto para novas aventuras, como nunca devia ter deixado de ser.

"Aquele que cresceu nas montanha pode viver durante anos na cidade, desenvolver um trabalho científico e enriquecedor de sua inteligência, mas o que não pode fazer é permanecer eternamente lá embaixo. Quando vê aparecer o sol entre as nuvens e sente o vento no rosto, sente como uma criança com novas aventuras nas montanhas. Comigo acontece exatamente isso"

Reinhold Messner

* Pedro Hauck é montanhismo desde 1998. Já escalou dezenas de montanhas nos Andes e outras tanto no Brasil. É formado em Geografia e possui mestrado em Geografia Física. É Editor do site AltaMontanha e também guia de montanha pela agência GenteDeMontanha.

Veja mais:

:: O significado histórico de subir uma montanha
:: O montanhismo contemporâneo
:: Uma questão de Justiça - coluna de Julio Fiori sobre a primeira escalada no Marumbi




Publicidade:


Serviços Especializados


GenteDeMontanha

Publicidade

Publicidade