UCs do Paraná voltam a funcionar nos domingos. Acampamentos no Pico Paraná estão liberados

0

O Instituto Água e Terra autorizou, hoje (07/07), a retomada da visitação de Parques Estaduais e Unidades de Conservação do Paraná aos domingos e feriados. A entrada nas UCs durante esses dias de maior movimento estava proibida para evitar a aglomeração de pessoas nessas áreas.

O Pico Paraná é uma das montanhas mais visitadas do estado.

No entanto cabe lembrar que as Unidades de Conservação continuam com capacidade máxima de visitação reduzida em 50%. “A pandemia ainda não acabou, as pessoas ainda devem tomar os devidos cuidados. É indicado ligar antes e verificar a capacidade de carga da unidade que quer visitar”, disse o diretor de Políticas Ambientais da Sedest, Rafael Andreguetto.

A visitação das UCs só é permitida com a entrada pelos postos oficiais, preenchimento de cadastro e uso de máscara durante todo o percurso. Quem for pego desrespeitando essas regras poderá responder por  infração ambiental prevista no Decreto Federal número 6.514/08.

O IAT também liberou os acampamentos no Pico Paraná em virtude da extensão e dificuldade da trilha. O PP é a maior montanha da região sul do Brasil. A caminhada da entrada do parque até o cume leva em média oito horas. Assim, para facilitar muitos montanhistas preferem a estratégia de acampar no caminho e voltar para a base somente no dia seguinte.

Além do PP, o Parque Estadual do Pico Paraná também abriga outras grandes montanhas como o Caratuva, Itapiroca, Ferraria e Taipabuçu que também são muito procuradas pelos montanhistas.

No entanto, o camping do Parque Estadual do Marumbi continua fechado. O IAT pretende liberar outros acampamentos conforme a pandemia melhore.

Compartilhar

Sobre o autor

Maruza Silvério é jornalista formada na PUCPR de Curitiba. Apaixonada pela natureza, principalmente pela fauna e pelas montanhas. Montanhista e escaladora desde 2013, fez do morro do Anhangava seu principal local de constantes treinos e contato intenso com a natureza. Acumula experiências como o curso básico de escalada e curso de auto resgate e técnicas verticais, além de estar em constante aperfeiçoamento. Gosta principalmente de escaladas tradicionais e grandes paredes. Mantém o montanhismo e a escalada como processo terapêutico para a vida e sonha em continuar escalando pelo Brasil e mundo a fora até ficar velhinha.

Deixe seu comentário